Maior otimismo com a economia brasileira

Analistas nacionais e internacionais demonstram mais otimismo com os resultados econômicos brasileiros.


0
Cíntia Agostini, economista e presidente do Codevat (Foto: Arquivo / Rádio Independente)

Faltando pouco mais de dois meses para o término do ano, analistas nacionais e internacionais demonstram mais otimismo com os resultados do principal indicador de crescimento econômico, o Produto Interno Bruto (PIB). Na semana passada foi a vez do Fundo Monetário Internacional (FMI), analisando as economias mundiais, indicar que a economia brasileira iria encolher menos do que havia sido previsto em junho.

No relatório anterior o FMI previa um decréscimo de 9% do PIB brasileiro, agora, sua previsão é de um decréscimo de 5,8%. E ontem (19), foi a vez do relatório Focus do Banco Central, relatório esse que busca percepções dos principais analistas brasileiros, indicar um decréscimo de 5% do PIB brasileiro, com a expectativa de já em 2021 termos um crescimento econômico acima dos 3%.


ouça o comentário

 


 

Por óbvio, encolher 5% é ruim, mas nenhum de nós tem dúvidas de que o cenário está mais brando do que aquele que se desenhava entre os meses de abril a julho desse ano. A pandemia não passou, teremos muitos efeitos na vida e na economia, o mundo empobreceu, mas não temos nenhum parâmetro na história recente que nos sirva para analisar o que aconteceu nesse ano de 2020.

A medida que o ano está findando, que começamos a voltar a convivência social, que nossas regiões passam mais semanas em bandeira laranja e algumas em amarelo, são os alentos que precisávamos para construir possibilidades, para fortalecer alternativas encontradas, para novamente pensar nos projetos futuros.

Que sigamos nos cuidando, que sigamos zelando por nós e pelos outros, e que sigamos trabalhando para uma retomada que sabemos que será lenta e gradual da economia brasileira, mas que, apesar de não ser o crescimento adequado, é muito melhor do que tínhamos de expectativas ao longo do ano de 2020.

Cíntia Agostini, economista e presidente do Codevat.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui