Morre Terezinha Tessmann, a “Tete” que atuou por mais de 40 anos na Slan em Lajeado

Ela estava em uma Clínica Geriátrica, em Arroio do Meio.


1

Faleceu na manhã deste sábado (21), Terezinha Tessmann, conhecida como “Tete”. Ela atuou por mais de 40 anos na Sociedade Lajeadense de Atendimento à Criança e ao Adolescente (Slan), de Lajeado, tendo iniciado suas atividades em 1958 até 2016.

Tete estava em uma Clínica Geriátrica, em Arroio do Meio. Os atos fúnebres serão realizados no Memorial do Diersmann, capela A, horário das 13h30 as 17h30, e sepultamento no cemitério católico do Florestal.

Theresinha Tessman

Filha de José Estevão Maria e Maria do Carmo de Oliveira Maria, natural de
Cruzeiro do Sul, estudou na Escola Estadual Beira do Rio de Bom Fim e posteriormente
fez o curso normal na Escola Madre Bárbara. Anos mais tarde formou-se em Pedagogia
Plena na cidade Caxias do Sul e pós graduou-se em Métodos e Técnicas em
Administração Escolar pela FATES, atualmente denominado Centro Universitário do
Vale do Taquari – UNIVATES.
Theresinha Tessmann era casada, com Carlos Tessmann (in memoriam), mãe
de Carmen Elisabete Kolling, Carla Cristina Tessmann e Claudia Tessmann, avó de
Paula Kolling, Amanda Kolling e Luciano Angnes, e dois bisnetos Alice e Vicente. Além,
desses adotou muitos filhos, quando trabalhou na Slan.

Como professora municipal iniciou suas atividades na Escola de Alto
Tamanduá em 1958, depois disso lecionou na Escola Presidente Castelo Branco de
Carneiros e foi Diretora da Escola Municipal Francisco Oscar Karnal, no Bairro de
Conservas. Em meados por volta de 1970, foi convidada a trabalhar na SETHASAS,
onde iniciou seu trabalho na área social. Aposentou-se como professora estadual após
25 anos de serviço, e atuou como Coordenadora Geral da Slan até novembro de 2015,
trabalho que exerceu com amor, carinho e muita dedicação.

Seu foco principal foi e um trabalho voltado à prevenção de meninos e meninas
em situação de vulnerabilidade e risco social, através de um trabalho de orientação de
crianças e adolescentes de 02 a 15 anos de idade que na Slan. Esta orientação
estendia as famílias, num trabalho informativo e formativo que executava com muito
carinho em seu horário de trabalho, inclusive muitas vezes em finais de semana. Seu
trabalho em favor do próximo não tinha medida e muito menos obstáculos. Para ela nada
é impossível quando se tratava de ajudar alguém que precisava
Outro trabalho que realizava com grande satisfação foi o Projeto Adolescência
em Convênio com o CDL, que encaminhava adolescentes ao mercado de trabalho,
acompanhando semanalmente o seu desempenho.

Em Lajeado, dificilmente existe alguém que não a conheçia, todos a
chamavam carinhosamente por TETÊ, aquela que ajudava, que orientava, que
encaminhava os desassistidos, era conhecida como aquela que conseguia e ia a luta,
sempre em beneficio dos menos favorecidos. Admirada por muitas pessoas que não entendiam onde ela encontrava forças para todo este trabalho e mesmo assim estar naturalmente de bem com a vida, mas quem com ela trabalhou sabe que sua força vinha do “alto”, DEUS que a protegia e que lhe dava forças cumprir o seu maior mandamento: Ame ao próximo como a ti mesmo.

Mulher de fibra, persistente, insistente e dedicada, realizava com fé grandes
ações, que por vezes pareciam passar despercebida, mas na verdade, serão lembradas sempre com carinho, pois trabalhou sempre com a maior de todas as alavancas: Amor ao próximo. Seu maior destaque: “Servir  com Humildade”. Fonte: Slan

Texto: Rita de Cássia
redacao@independente.com.br

1 comentário

  1. Pessoa maravilhosa. Humilde, simpática e sempre dispostas ajudava crianças e ppessoas mais carentes. Sempre sorrindo e eu via ela muitas vezes dentro da Kombi da Slan. Muito enérgica e ativa na comunidade lajeadense. Que Deus dê muitas forças e energias à família enlutada. Que todos nós possamos nos espelhar em todos os seus exemplos de amor, caridade, solidariedade e companheirismo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui