Morremos antes da morte quando nos abandonamos

Confira o comentário de Dirce Becker Delwing, jornalista, psicóloga e psicanalista clínica


0
Imagem ilustrativa do livro citado na coluna (Foto: Divulgação)

O livro “A morte é um dia que vale a pena viver”, escrito pela médica Ana Claudia Quintana Arantes trata sobre a vida diante da perspectiva da morte. Ela aborda que, para viver, não basta estar vivo biologicamente. É preciso estar presente no presente. “Muita gente não está viva de fato, mesmo com o corpo funcionando bem. É uma coisa terrível. Pessoas que enterraram suas dimensões emocional, familiar, social e espiritual.”

O livro é emocionante e de leitura agradável, apesar de tratar de um tema que gera desconcorto em muitos leitores. Uma das pontuações refere-se ao aproveitamento do tempo. “Dizemos que depois do trabalho vamos viver, mas esquecemos que a opção ‘vida’ não é um botão ‘on/off’ que a gente liga e desliga conforme o clima ou o prazer de viver.”

Como você está aproveitando o caminho da sua existência? Tem vivido ou apenas existido? Se você recebesse o diagnóstico de uma doença grave, o que faria? E, você, que está em tratamento de saúde, o que tem pensado? O que pode compartilhar com quem não faz nem ideia de como é estar doente?

Por Dirce Becker Delwing, jornalista, psicóloga e psicanalista clínica

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui