Mortandade de peixes nativos nos rios Taquari e Forqueta preocupa a comunidade

Ministério Público foi acionado e Fepam deve realizar vistoria.


3
Peixes foram encontrados mortos no Rio Forqueta (Foto: Divulgação)

Uma grande quantidade de peixes nativos mortos foi encontrada às margens do Complexo Parque Náutico de Lazer de Roca Sales nesta segunda-feira (19). A maioria das espécies de pintados, jundiás, lambaris, traíras e joaninha, todos de tamanho pequeno e médio. O Biólogo da Prefeitura de Roca Sales, Cristian André Prade, recebeu a denúncia de pescadores da região e informou à reportagem do Grupo Independente. “Estes peixes vinham da região alta pela correnteza, e isso nos preocupa porque estamos em outubro. O que será no verão? Precisamos que todos os municípios façam uma fiscalização com urgência”, alerta.


ouça a reportagem

 


 

Cássio Breitenbach é praticante de Stand Up paddle e avistou os peixes (Foto: Arquivo Pessoal)
Cássio Breitenbach é praticante de Stand Up paddle e avistou os peixes (Foto: Arquivo Pessoal)

Mortes de peixes também foram registradas no Rio Forqueta, em Arroio do Meio. O praticante de Stand Up paddle, Cássio Breitenbach, disse que em dois momentos se deparou com uma grande quantidade de espécies mortas, principalmente de pintados. “Quando fui remar próximo a ponte que divide Lajeado e Estrela, ao subir o rio me deparei com muitos peixes mortos descendo, e na volta resolvi pegar alguns para tirar foto”, conta.

Um ouvinte da Rádio Independente que não quer ser identificado, disse por telefone à nossa reportagem que, de domingo até a manhã desta terça-feira (20), percebeu uma grande mortandade de peixes pintados no Porto dos Bruder, no Rio Taquari, em Lajeado. Conforme ele, todos eram pintados, de porte médio e pequeno. Ele acredita que as mortes estejam associadas a uma pesca predatória.

Prade diz que as mortes nos Rios Taquari e Forqueta podem ter ligação.“Tudo está ligado, porque possivelmente o Rio Forqueta deve estar tendo uma baixa evasão de água em função dessa estiagem, e também a questão do esgoto domiciliar ou industrial”, explica. Além disso, ele acredita em duas causas para essas mortandade, que seriam a pesca predatória, maior concentração de matéria orgânica e menor oxigênio na água.

Biólogo da Prefeitura de Roca Sales Cristian André Prade (Foto: Caroline Silva)
Biólogo da Prefeitura de Roca Sales Cristian André Prade (Foto: Caroline Silva)

O biólogo sugere que os municípios e a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) realizem uma fiscalização constante nos rios nas épocas de estiagem. “Não adianta ter fiscalização só quando tem peixe morto ou espuma branca”, observa. Ele lembra da grande quantidade de espuma branca que foi vista no Rio Taquari em janeiro de 2020.

A Promotora de Justiça Especializada de Estrela, Andrea Almeida Barros, informou que a Fepam deve realizar uma vistoria nos próximos dias. “Após analisar os vídeos eu determinei a instauração de expediente prévio a investigação e também determinei que fosse requisitado uma vistoria com urgência”, disse.

O Comandante da Patrulha Ambiental da Brigada Militar de Estrela, sargento Adilson Brum, disse que tiveram conhecimento do caso por meio de pescadores e que irão averiguar.

Texto: Caroline Silva
jornalismo@independente.com.br

3 Comentários

  1. Ta parecido com as pescaria da Barragem de Bom TetiroDo Sul e ninguem faz nada aparece todos os diad carpas machucadas porcausa das garateias mas nao adianta chamar a patram eles nao vem isso e todos os dia nao tem.horario pra eles ta pescando la dentro.

  2. Isso não tem nada a ver com pesca predatória e sim poluiçao. Quais são as principais empresas que despejam podridão no Taquari? Por exemplo? Talvez esteja ai oq esta causando morte desses peixes

  3. Exato William…. povo não tem noção da quantidade de esgoto que é lançada no rio Todos dias…. não é a toa que no trecho de Lajeado ele está classificado como classe 4… literalmente podre….

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui