Motorista que atropelou bebê em Lajeado estava com CNH cassada e responderá em liberdade

Em coletiva de imprensa, delegado Marcio Moreno detalhou investigação que foi encerrada na última terça-feira; veículo estava no nome de uma pessoa de Santa Catarina


1
Delegada regional Shana Luft Hartz e o delegado titular da Delegacia de Policia Civil de Lajeado, Marcio Moreno (Foto: Caroline Silva)

O motorista que atropelou um bebê de 1 ano e 11 meses em Lajeado no dia 19 de junho vai responder em liberdade por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (8), o delegado titular da Delegacia de Policia Civil de Lajeado, Marcio Moreno, e a delegada regional Shana Luft Hartz deram detalhes da investigação que encerrou na última terça-feira (6).

O condutor se apresentou à delegacia na sexta-feira (2) com seus advogados, mas o delegado fala que a polícia já tinha sua identificação após chegarem no nome do proprietário do veículo, que era um homem de Santa Catarina. “Quando chegamos na pessoa que fez a compra do veículo em um leilão ela nos passou o nome e logo após o acusado se apresentou com seus advogados”, conta. O veículo envolvido estava há vários dias em uma via pública em Estrela.

Conforme o delegado, o motorista que é de Lajeado, dirigia com a CNH cassada e tinha condições de ter prestado socorro a vítima. “Verificamos que ele na tinha o direito de dirigir, estava com a CNH cassada e pelo videomonitoramento vimos que ele tinha toda a condição de prestar socorro”, relata. O acusado disse em depoimento a polícia que não parou porque não se deu conta do ocorrido.

Para Moreno, foi uma das investigações de homicídio de trânsito mais difíceis de identificar o condutor, devido às imagens das câmeras do local do acidente serem escuras, e pela documentação do veículo envolvido, já que era um automóvel adquirido em um leilão da Receita Federal. “O veiculo não estava devidamente cadastrado, a sua posse atual e sua propriedade não condizem com sua situação atual. Após o fato o veiculo foi para locais da cidade que nós não temos monitoramento”, conta. A polícia havia chegado a oito veículos até finalmente identificar o que atropelou a criança.

 

Texto: Caroline Silva
jornalismo@independente.com.br

1 comentário

  1. Homicídio culposo?
    O cara tinha condições de prestar socorro a criança e a deixou para morrer!
    Não poderia estar dirigindo por estar com CNH vencida!

    Tinha conhecimento do que estava fazendo, ao meu ver homicídio doloso sim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui