Motorista que atropelou homem na BR-386 diz que não fugiu e retornava ao local do acidente quando foi abordado

O condutor do automóvel e da Van Besta prestaram esclarecimentos à Polícia Civil e foram liberados


0
Havia neblina no momento do atropelamento (Foto: Joel Alves)

O motorista do automóvel Peugeot com placas de Parobé que atropelou um homem de 40 anos na BR-386, em Marques de Souza nesta segunda-feira (18), disse à Polícia Civil que não fugiu e sim fazia o retorno para voltar ao local do acidente quando foi abordado por policiais da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A informação é da delegada que estava de plantão e atendeu a ocorrência, Márcia Bernini.

Ela fala que o condutor do carro e da Van Besta prestaram esclarecimentos e foram liberados. “A principio, a ocorrência era de que teria ocorrido a fuga do segundo condutor, mas conforme apuramos, dentro do que o motorista do automóvel falou e identificamos, ele bateu e estava procurando um caminho para fazer o retorno e voltar para o local”, comenta.


ouça a entrevista

 


A delegada também diz que a morte teria ocorrido por causa da segunda batida provocada pelo automóvel. “Primeiro a Van o atropelou e, em seguida, o automóvel, e a causa teria sido em decorrência da segunda batida”, conta.

Ainda conforme Márcia, ambos os veículos transitavam em velocidade permitida e realizaram o teste de bafômetro que não apontou alcoolemia.

LEIA TAMBÉM: Motorista da van que atropelou homem em Marques de Souza era amigo há anos da vítima

“Infelizmente, custou uma vida humana e isso nos deixa muito tristes”

Após o ocorrido, a prefeitura de Marques de Souza emitiu uma nota se solidarizando com a família da vítima. O prefeito Fábio Mertz fala que em dois momentos foi solicitado para a Concessionária CCR Viasul a liberação da passarela no local do acidente. “Essa passarela se fazia muito necessária. Infelizmente, custou uma vida humana e nos deixa muito tristes. Nos reunimos constantemente com a CCR para tratar de vários assuntos e uma de nossas manifestações nos dois últimos encontros foi a liberação da passarela para os pedestres e nos foi negado”, explana.

Por nota, a CCR ViaSul, informou que, embora a parte estrutural esteja construída, ela continua em obras e que é necessário construir os acessos à passarela e às calçadas; colocar a sinalização, pontos de paradas de ônibus, bem como pistas de aceleração e desaceleração dos ônibus.

A concessionária também disse que está sendo avaliada a manutenção de um acesso restrito e sinalizado, até que seja possível concluir a concretagem dos encaixes para que os pedestres possam acessar o dispositivo em condições de segurança para travessia em desnível da rodovia.

Texto: Caroline Silva
jornalismo@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui