Na comparação com outros países, o impacto do preço dos combustíveis é mais alto pela renda menor do brasileiro, explica economista

Cintia Agostini lembra que outros países até têm os combustíveis mais altos, mas fica mais pesado para o brasileiro em função da renda proporcionalmente mais baixa no país


1
Foto: Pexels / Ilustrativa

A economista e vice-presidente do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari (Codevat), Cintia Agostini, abordou as tentativas de minimizar o impacto dos preços dos combustíveis no Brasil no quadro “Direto ao Ponto” desta quarta-feira (9). O Congresso e o governo discutem medidas que versam sobre mexer nos impostos federais e estaduais sobre o setor, ou então a criação de um fundo para amortizar o impacto das elevações.


ouça o quadro “direto ao ponto”

 


A economista reconhece que o Brasil fica muito a mercê do cenário internacional, que, com a conjuntura doméstica, forma um cenário desfavorável. Cintia lembra que o preço internacional do petróleo está em alta, e o câmbio no Brasil está desvalorizado. Ela cita que em outros países, o preço dos combustíveis pode até estar mais alto que no Brasil. Porém, a renda do brasileiro é menor se comparada ao nível de elevação nos postos de gasolina.

1 comentário

  1. Verdade, o problema não é combustível caro, o problema é a pobreza no Brasil que foi agravada após 2016…
    Vcs têm ideia de quanto custa pra extrair o petróleo e produzir a gasolina???? E quanto custa para engarrafar um litro de água mineral???
    Num posto de gasolina a gasolina é vendido a 7,00 (é caro) e um litro de água mineral na conveniência desse mesmo posto é vendida por 6,00( caríssimo).
    Vcs sabiam que a refinaria da Bahia que foi vendida em 2021 a preço de banana é onde tem os preços mais caros na gasolina e no gás???
    Pesquisem, se informem, reflitam, não confiem em qualquer mídia e sejam felizes…

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui