Nitrato de amônia e nitrogenados

Conheça esse elemento usado por agricultores desde a década de 1960.


0
Foto: Divulgação

Os adubos nitrogenados são usados para fornecer nitrogênio (N) para as plantas e é retirado da amônia. Por curiosidade um hectare de superfície terrestre tem cerca de 82.000 toneladas de nitrogênio inerte e insolúvel. Só podendo ser utilizado pelas leguminosas, (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico, alfafa, acácia, amendoim, soja e outros), que tem estruturas especiais para isto. Inclusive é indicado a inoculação para melhorar o aproveitamento deste nitrogênio. Quando é disponibilizado bactérias para fixação biológica de nitrogênio. As demais plantas precisam receber o nitrogênio com fertilizantes.

Há vários produtos comerciais no mercado fornecedores de N e entre parênteses o percentual de nitrogênio: Amônia (82), ureia (44), nitrato de amônia (32), nitrato de amônia e cálcio (20), sulfato de amônia (20), nitrato de cálcio (14), nitrato duplo de sódio e potássio (15), nitrato de potássio (13), fosfato monoamônico MAP (9), fosfato diamônio DAP (16). Fonte: Internet Na sala com Gismonti.

Desta listagem ganhou notoriedade agora o “Nitrato de Amônia” apontado como causa da explosão em Beirute no Líbano. País com que o Brasil tem bons laços de amizade e estima-se que aqui moram cerca de dez milhões de libaneses e seus descendentes. A maior concentração depois do Líbano. No porto estavam armazenadas cerca de 2,7 mil toneladas de nitrato de amônia, produto aprendido de navio com comercialização ilegal.

A princípio lidar com ele é seguro e são estáveis. Mas, é produto químico exige cuidados básicos e armazenagem adequada. Tudo indica que estavam soldando portas de ferro e a temperatura alta e faíscas provocou o acidente em fábrica de fogos. A temperatura se elevou, mais a pressão e peso atingiu a armazenagem de nitrato de amônio e causou a explosão.

No Brasil este produto já teve problemas em Cubatão (SP) com incêndio em 2017. Única fábrica brasileira que utiliza o produto. E no Porto de São Francisco (SC) que teve incêndio em 2013. Usando informações da coluna do jornalista Flávio Tavares ZH 8 e 9 agosto, em POA perto da Arena do Grêmio tem fábrica de fertilizantes que usa o produto e ainda tem os roubos de explosivos, que aconteceram por aí, que parte era nitrato de amônia.

Importamos 1,2 milhões de toneladas por ano principalmente da Rússia e produzimos a metade 500 milhões no País. É usado por agricultores desde a década de 1960. Se compararmos com outros adubos nitrogenados perde disparado para a ureia 5,6 milhões de toneladas. No total usamos cerca de 36 milhões de toneladas de fertilizantes.

Precisamos levar ainda em consideração que o nitrato de amônia é usado em misturas de 10% a 15% que o torna mais seguro. A concentração acima de 70% é controlada pelo exército que tem departamento que acompanha a importação no sistema “entra e sai” não ficando grandes quantidades estocadas. O transporte exige cuidados especiais como “carga perigosa”. Caminhão adequado, pontos de apoio, escolta e comunicação direta com a empresa entre outros.

Alguns casos de cultivos de hortaliças e floricultura ele é usado puro, mas somente em sacos especiais de 25 kg e também com controle do exército. Segundo o Ministério da Agricultura cerca de 300 empresas fazem misturas de nitrato de amônia para produzirem fertilizantes com concentrações menores reduzindo riscos. Trabalhando certo não precisamos nos preocupar.

Em termos domésticos uma boa compostagem ou esterco bem curtido dará o nitrogênio que a planta precisa.

Por Nilo Cortez 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui