O amor conjugal é alimentado com pequenos cuidados cotidianos

"Você se sente amado quando sabe que a outra pessoa irá chamar sua atenção se você estiver atrapalhado." Analisa a jornalista, psicóloga e psicanalista clínica Dirce Becker Delwing


0
Foto: abcdapalavra.com / Ilustrativa / Divulgação

Todos os dias, antes de sair de casa, meu esposo pede para que eu ajeite a gola da sua camisa. Paro diante dele, coloco as mãos perto do seu pescoço e mexo no tecido. Muitas vezes, não há nada para ajeitar. Presumo que faz isso para esperar meu ajuste final. Seguro nas duas pontas da gola, sinalizo que conferi a simetria e aviso que pode sair de casa com confiança.

Fico pensando que, para ele, seria muito mais prático verificar o alinho da roupa diante do espelho. Contudo, a atribuição desse cuidado é uma conferência afetuosa. Algo como a busca de um olhar de aprovação. O desejo de encontrar olhos vestidos de boas palavras.

Na vida a dois, na conjugalidade, nas relações com as pessoas do nosso convívio são pequenos gestos de cuidados que fazem a diferença. Você se sente amado quando percebe que a outra pessoa tem verdadeiro interesse na sua vida. Quando consegue sentir que a outra pessoa quer lhe ver bem, que ela percebe quando você está preocupado, quando respeita seu silêncio e vibra com os aplausos que você recebe. Você se sente amado quando sabe que a outra pessoa irá chamar sua atenção se você estiver atrapalhado.


ouça o comentário 

 


 

“De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.”
(William Shakespeare)

Por Dirce Becker Delwing, jornalista, psicóloga e psicanalista clínica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui