** Sobre a nova “bomba” que estremeceu a capital federal, resumo meu pensamento defendendo a necessidade de apuração e punição, independente de quem seja ou o cargo que ocupa. O Brasil precisa ser passado a limpo. Corrupto precisa ser condenado, preso e que devolva o dinheiro que recebeu.

** Não serão mais legítimas as reformas feitas pelo presidente Michel Temer. Aliás, sua governabilidade está sob suspeita.

Fotos: Divulgação

** Na Assembleia Legislativa ocorreu esta semana o descerramento da foto do deputado Edson Brum, na galeria dos presidentes do Poder Legislativo Gaúcho. Ele ocupou o cargo no ano de 2015. Lajeado esteve representado pelo vereador Marquinho Schefer, a delegada Márcia Scherer, o advogado Samuel Fröhlich, a suplente de vereador Daiane Bauer e o vice-presidente do Diretório Municipal do PMDB Ricardo Giovanella.

** O vereador Paulo Tóri, ao comentar as mudanças do Cemitério Municipal do Florestal, com a retirada de sepulturas, na sessão da Câmara da última terça-feira, extrapolou no linguajar. “É um serviço porco que a Prefeitura está fazendo”, lascou exaltado.


** Na inauguração do campus Lajeado do Instituto Federal de Educação – administrado pelo Instituto Sul-Riograndense (IFSul), o encontro dos últimos três prefeitos que tiveram em suas gestões alguma participação no projeto. Marcelo Caumo, Luiz Fernando Schmidt e Carmen Regina Cardoso sentaram-se lado a lado.

As aulas para cerca de 100 estudantes do curso técnico de Administração começam no novo espaço a partir de segunda-feira, dia 22. Um detalhe que chamou atenção dos presentes foi a placa instalada no prédio constando o nome do presidente Michel Temer.

O circo pegando fogo em Brasília e obras do governo sendo inauguradas, sem que pelo menos ele faça a mínima ideia do que ocorre pelo Brasil afora.

** A piada é boa para o momento, e tem um fundo de verdade o que disse a ex-presidente Dilma: “afinal de contas quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder.”

** A reclamação chegou à Coluna: “Ir ao motel Mon Cherry ficou complicado. A Polícia Rodoviária Estadual tem feito blitz e fiscalização muito perto e os motoristas ao reduzirem a velocidade constrangem quem quer entrar ou sair do motel”. Feito o registro e espera-se que a Polícia tenha sensibilidade e deixe os enamorados curtirem em paz.

** Em resposta a nossa cobrança da semana passada por maior embelezamento de Lajeado, Adi Cerutti, coordenador da Agricultura, repassa a informação de que a Prefeitura está sim plantado flores na Ciclovia, no Parque dos Dick, na rua Alma Laval e na rótula que vai para a Conservas, além de muitas outras ruas e avenidas da cidade que receberão os serviços nos próximos dias. A foto mostra o trabalho sendo feito na Alberto Pasqualini.

** Parabéns ao Grupo IMEC pelo novo supermercado no bairro Florestal, moderno e de acordo com a nova tendência do setor.

** Conhecia o professor Gustavo Rauber. Lembro-me de uma promoção que fizemos na Rádio Tropical FM e ele foi o vencedor, ganhando uma guitarra. Depois disto, sempre que ocorria um encontro casual, conversávamos. Gustavo era uma pessoa agradável, de sorriso fácil, de papo descontraído, com vibração enorme e muito entusiasmo. Sua partida foi inesperada. Chocou e fez chorar a muitos. Que Gustavo continue cantando lá no céu e mande para seus familiares e amigos proteções divinas.

** Em um encontro de rua esta semana um leitor me questionou: “tu sabe o nome de todos os secretários do prefeito Caumo?” Respondi que alguns sim, outros não lembrava. Mas pensando bem, secretário municipal não precisa aparecer. Quanto mais discreto melhor, desde que cumpra suas obrigações e faça o trabalho de acordo.

** Por mais que o prefeito Marcelo Caumo tenha destacado que figuras históricas da política não fossem aproveitadas em seu governo como secretários, são eles, em segundo escalão que mais tem aparecido na mídia. Adi Ceutti, Isidoro Fornani e Carlos Kayser conseguem mais visibilidade do que a maioria dos secretários.

** Para gravar Michel Temer, Joesley Batista escondeu muito bem o gravador. Há vários anos, a segurança presidencial não permite a visitantes nem mesmo manter celular desligado no bolso.

** O súbito silêncio do falante senador Renan Calheiros significa o que neste momento da política brasileira. Alguém sabe?

** A pergunta é: quantos mais aparecerão em gravações escondidas a sete chaves?

1 comentário

  1. IMAGINEM SE ABRIRMOS A CAIXA PRETA DO BNDES . SOMENTE PARA A JBS FOI LIBERADO ESTA QUANTIA ABSURDA.
    O BRASIL PRECISA SABER MAIS SOBRE ISTO. UMA EMPRESA QUE TEVE O CRESCIMENTO ESCUSO , SER BENEFICIADA COM DELAÇÃO PREMIADA. CRIADOR E CRIATURA DEVEM DEVOLVER O DINHEIRO ROUBADO DO POVO BRASILEIRO.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui