O desafio da continuidade do auxílio emergencial para a população de baixa renda

Ouça e leia a participação da economista e professora universitária Cíntia Agostini no quadro Direto Ao Ponto.


0
Foto: Univates / Divulgação

No ano passado várias medidas sociais e econômicas foram implementadas emergencialmente e condicionadas ao enfrentamento da pandemia. Particularmente para a população mais carente criou-se o auxílio emergencial, que atendeu a quase 68 milhões de pessoas e despendeu de R$ 290 bilhões de reais em recursos da União, o que resulta em uma média de pouco mais de R$ 4 mil reais por pessoa nesses 10 meses de benefício.


ouça o comentário

 


 

Tal benefício acabou no final de 2020 e só está pagando valores residuais de parcelas não pagas. No entanto, a pandemia não acabou e a retomada econômica não aconteceu ainda para permitir a retomada da geração de emprego e renda, para boa parte da população mais carente. Assim, nessa semana continua a discussão do tema do auxílio emergencial, nos municípios, nos Estados, no Congresso e no Executivo Federal.

A percepção de associações empresariais e representações da sociedade é de que há necessidade de termos uma continuidade do auxílio emergencial para manutenção do consumo da população e a minimização do impacto da pandemia. O Governo Federal assume efetivamente uma proposição de retomada do auxílio emergencial, com parcelas e grupos de pessoas mais reduzido, estimando um valor de R$ 200,00 por três meses, para os 30 milhões mais necessitados e que não estão em programas de assistência social do Governo Federal.

O Congresso discute possibilidades de valores e grupos a serem atendidos. Os recursos são exíguos e neste ano a previsão de déficit é de 250 bilhões de reais, por isso, as avaliações da equipe econômica da União estão sendo cautelosas. Mas há uma concordância da necessidade de manutenção de auxílio para a população mais carente não beneficiada atualmente, pois a crise de saúde pública não acabou e a crise econômica precisa ser minimizada pelo Estado cumpridor de seu papel de Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui