“O mercado segurador precisa ter qualidade de atendimento”, ressalta proprietário da Airton Seguros

A companhia oferta seguros para automóveis, casa, empresa, frotas, transportes ou para seu negócio


0
Foto: Tiago Silva

No Arte de Empreender deste sábado (14), o apresentador Ricardo Brunetto recebeu Airton Paulo Bernhard. Ele é proprietário da empresa Airton Seguros, com mais de 20 anos no mercado. A companhia oferta seguros para automóveis, casa, empresa, frotas, transportes ou para seu negócio, com vantagens e benefícios exclusivos.

“O mercado segurador precisa ter qualidade de atendimento”, ressalta o empresário, que relata transformações nessa área ao longo dos anos.

A sede da Airton Seguros é na Rua Fialho de Vargas, no Centro de Lajeado. Entre em contato pelo fonte (51) 3710-1966, WhatsApp (51) 9 98134-0300 ou no site www.airtonseguros.com.br.


As feridas das guerras não travadas são as que mais machucam

com Tamara Bischoff

Vivemos uma época de medo. E não estou me referindo à pandemia, ela só trouxe um acréscimo a esse sentimento que nos acompanha há bastante tempo. O problema do medo é que, quando nos deparamos com ele, uma das saídas mais fáceis é se encolher, recuar, se esconder. Quando recuamos diante de nossos medos, escolhemos, ainda que inconscientemente, o lado do fracasso seguro, o que nos deixa ainda mais frágeis. Vejo muitos exemplos disso na clínica. A pessoa que tem medo de ter filhos e resolve não tendo; a que se frustrou em um relacionamento e, portanto, desiste de tentar de novo.

Tamara Bischoff, jornalista e psicóloga

No entanto, essa atitude também não é a solução, pois mesmo desistindo, a ideia permanece, trazendo dúvida. E se eu tivesse tentado? É quando, muitas vezes, entra em cena o arrependimento. Arrepender-se por algo que você não fez, mas gostaria de ter feito, é geralmente pior do que o arrependimento por aquilo que foi feito, mesmo sem êxito.

O poeta Fernando Pessoa escreveu: “Tenho vivido sem ter vivido! Tanto tenho pensado sem ter pensado! Pesam sobre mim mundos de violências paradas, de aventuras tidas sem movimento. Estou farto do que nunca tive nem terei… Trago comigo as feridas de todas as batalhas que evitei…”. Acho que concordo com Pessoa. As feridas das guerras não travadas são as que mais machucam, e elas estão sempre ali.

O mais curioso disso tudo é que o medo que está por detrás de todos os outros é o de sofrer. Só que, no fim das contas, ele não impede o sofrimento, só o disfarça e o desloca.

Mas e então, qual a saída para os medrosos? Cada um deve procurar a sua, mas o que pode instigar essa busca é a capacidade de lidar com a incerteza, de suportar a falta de garantias e saber que ganhar e perder andam sempre muito próximos.

O que o medo está te impedindo de viver?

Quer interagir comigo, sugerir um tema ou comentar este texto? Me procure nas redes sociais: no Instagram, @tamara.terapia, e no Facebook, Psicóloga Tamara Bischoff.


Vamos falar de tendências e perspectivas para comércio e serviços?

com Soraia Gerhardt

Uma coisa é certa: “Os consumidores não se comportam mais de forma linear. Se você afirma conhecer o seu cliente, será necessário reavaliar. Os mesmos clientes estão realizando diferentes jornadas. Em alguns dias preferem consultar informações na internet e comprar na loja; em outros, comprar no site e retirar na loja; ou receber em casa, depende da jornada de cada dia.


OUÇA O “FERRAMENTAS DE GESTÃO”

 


Os novos clientes, também conhecidos como omniconsumidores, sabem que existem possibilidades e querem fazer uso delas conforme a necessidade. Objetivamente, a pandemia acelerou a digitalização dos negócios (250 mil lojas virtuais abertas em 2020 – ABCOMM), os consumidores experimentaram e gostaram do que viram (70% pretendem continuar comprando online – SBVC), e agora sabem que podem exigir mais das marcas, nas interações físicas e digitais, para ter ainda mais conveniência.

Soraia Gerhardt, analista de Relacionamento do Sebrae Lajeado

Os consumidores ficarão conectados em casa e voltarão com segurança para o mundo exterior quando a maior parte da população estiver vacinada. O modelo híbrido formado pelos mundos físico e virtual, em que os consumidores podem viver, trabalhar, fazer compras e se divertir, fisicamente e online, já é a nova realidade.

Nos últimos meses, ferramentas digitais para realização de relacionamento e vendas têm sido a grande demanda dos empresários aqui no Sebrae. O whatsapp business, instagram, facebook e os aplicativos de delivery têm ajudado muito. Eu acredito que a oferta de experiências virtuais (lives, interações, conteúdos) nas casas das pessoas continuará sendo um poderoso canal para impulsionar as vendas online e a coleta de dados dos consumidores (46% dos consumidores valorizam experiências online – Euromonitor).

Será preciso oferecer produtos e serviços de valor agregado aos consumidores, bem como soluções multifuncionais e acessíveis. Lojas e restaurantes devem repensar seus espaços físicos, incorporando sistemas de pedidos online e áreas abertas para que os clientes possam voltar com segurança. Presença digital é condição para se ter um negócio
Comunicação com empatia e apoio ao bem-estar psicológico das pessoas serão essenciais para consolidar a fidelidade. Mais do que antes, acolhimento é decisivo para que a tua marca tenha um lugar especial na mente do consumidor.’

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui