“O problema não é o volume de exportação da carne suína, e sim o preço”, afirma o presidente da Acsurs

Valdecir Folador analisou o mercado interno e a exportação brasileira, além de relatar o que está sendo feito para evitar a peste suína africana


0
Valdecir Folador, presidente da Acsurs (Foto: Divulgação)

O presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador, concedeu entrevista ao programa Realidade na manhã desta quarta-feira (20). Mesmo com a alta acumulada ao longo do ano, a carne suína não acompanhou o ritmo de valorização do produto bovino e do frango. É o que mostra um levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP.

De acordo com a pesquisa, a carcaça especial suína subiu 0,8% de janeiro a outubro deste ano frente a igual período de 2020, chegando à média de R$ 10,54 por quilo em 2021 em valores deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de setembro. Na mesma base de comparação, a carcaça bovina e o frango inteiro resfriado avançaram 21,4% e 28,8%, respectivamente, com médias de R$ 20,44 e R$ 7,09 por quilo.

Folador explicou que o desempenho mais fraco do produto suíno pode ser explicado pelos baixos valores de exportação, que funcionam como bússola para os preços internos. Dependentes da China, os produtores têm pouco poder de barganha para estabelecer preços maiores nos contratos de venda ao país asiático. “A suinocultura não tem outro destino para esta carne, e temos de continuar exportando mesmo que o preço não seja atrativo”, diz Folador. Em setembro, o Brasil exportou mais de 100 mil toneladas de carne suína, das quais quase 60% foram enviadas ao mercado chinês, afirma.

Com a aproximação das festas de fim de ano, o executivo projeta maior consumo de carne suína e avanço dos preços. A demanda dos países asiáticos também deve crescer nesse período. Mas o presidente da Acsurs reitera: “O problema não é o volume de exportação da carne suína, nunca se importou tanto, e sim o quanto pagam por ela”, explica.

Texto: Júlio César Lenhard

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui