“O setor calçadista está encolhendo bastante”, avalia presidente do sindicato de Teutônia

Roberto Müller valoriza incentivo dado pela prefeitura. "Incentivar ateliê é a resposta mais rápida para você gerar emprego", defende.


0
Foto: Paulo Sérgio Rosa / Arquivo / Divulgação

Teutônia renovou, em outubro, a concessão de incentivo a 17 ateliês calçadistas do município. É um repasse de R$ 50,00 por funcionário ativo às empresas, recurso que pode ser aplicado no aluguel. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Calçadistas de Teutônia (Siticalte), Roberto Müller, ressalta que é “uma maneira de ajudar por funcionário que nós achamos muito justo” no enfrentamento à pandemia de Covid-19.


ouça a entrevista

 


Müller ressalta que “incentivar ateliê é a resposta mais rápida para você gerar emprego”. “Eu digo sempre que o setor calçadista é primeiro setor a enfrentar oscilação negativa, mas ele sempre é o primeiro setor a se recuperar”, aponta.

Presidente do Siticalte, Roberto Müller (Foto: Divulgação)

No início da crise, o cenário foi de fechamento de empresas calçadistas e demissões em Teutônia. No auge, foram cerca de mil demissões. Após, a crise arrefeceu e parte dos trabalhadores retornou às suas funções, e outra parte da mão de obra foi para outros setores da economia, como a alimentação. “Estarmos com as empresas abertas e estarmos trabalhando já é motivo de grande alegria”, comemora.

Conforme Müller, “o setor está encolhendo bastante”, e não somente em função da pandemia. O Siticalte — que representa o setor calçadista nos municípios de Teutônia, Westfália, Poço das Antas e Paverama — tinha cerca de 4,6 mil funcionários vinculados até a pandemia. Agora são aproximadamente 3,2 trabalhadores.

Até os anos 1990 e início dos anos 2000, as empresas calçadistas da região do Siticalte exportavam 90% de sua produção. Hoje, não chega a 10% dos sapatos produzidos que vão para o exterior. O desaquecimento do mercado interno, o encarecimento da matéria-prima e a competição acirrada com produtos de fora levaram o setor ao estágio delicado em que se encontra atualmente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui