Ex-policiais russos são condenados por ‘plantar’ droga para prender repórter

Ivan Golunov havia feito matérias investigativas sobre a corrupção na prefeitura de Moscou. Penas variam entre 5 e 12 anos e incluem o pagamento de 1 milhão de rublos à vítima


0
O jornalista investigativo russo Ivan Golunov sorri ao deixar prédio do Comitê de Investigação em Moscou, na Rússia, em 11 de junho de 2019. Ex-policiais russos foram condenados por fabricar provas em uma controvertida prisão do jornalista por tráfico de drogas (Foto: Alexander Zemlianichenko/AP)

Cinco ex-policiais russos foram condenados nesta sexta-feira (28) por terem “plantado” drogas nos pertences e na casa do jornalista investigativo Ivan Golunov para prendê-lo.

As penas variam entre 5 e 12 anos e incluem o pagamento de um milhão de rublos à vítima (mais de R$ 700 mil).

O policial que arquitetou o plano, Igor Lajovedts, foi condenado a 12 anos de prisão; três ex-colegas, a oito anos; e Denis Konovalov, o único a admitir os fatos, a cinco anos.

Prisão e reviravolta

Jornalista do site investigativo Meduza, Ivan Golunov foi detido em junho de 2019 em Moscou, por policiais que alegaram ter encontrado drogas em sua mochila e em sua casa.

Mas foi solto cinco dias depois, após uma mobilização sem precedentes da imprensa, de cidadãos e até de algumas figuras da elite russa.

Os cinco policiais foram demitidos, detidos e acusados de abuso de poder, falsificação e tráfico de drogas, entre outros crimes.

Segundo a acusação, eles adquiriram a droga ilegalmente a droga e a “plantaram” na casa do jornalista.

Jornalista investigativo

Golunov havia feito matérias investigativas sobre a corrupção na prefeitura de Moscou e sobre supostos desvios de dinheiro em diferentes setores.

O site investigativo Meduza tem sede em Riga, na Letônia, e pode estar com seus dias contados na Rússia, já que as autoridades o enquadraram, no fim de abril, como um “agente estrangeiro”.

O termo é usado contra organizações financiadas com fundos estrangeiros que são críticas ao Kremlin.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui