“Paralisação não resolve o problema”, afirma um dos líderes sindicais das empresas de transporte do RS

Segundo Diego Tomasi, o setor de transportes está passando pelo ano mais desafiador da sua história; foram 13 reajustes no óleo diesel


0
Diego Tomasi é vice-presidente da Setcergs, diretor da Fetransul, e da empresa lajeadense Tomasi Logística (Foto: Rodrigo Gallas)

“A gente entende que paralisação não resolve o problema. Não somos a favor de nenhum tipo de paralisação, de greve. Nós, como empresas, queremos continuar trabalhando.” A afirmação, sobre a prometida paralisação dos caminhoneiros em todo o país, programada para 1º de novembro, é do vice-presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado do Rio Grande do Sul (Setcergs), Diego Tomasi.

“Entendemos que o diálogo e ações pontuais com o governo podem minimizar o problema”, complementa o líder da categoria que também é diretor da Federação das Empresas de Logística e Transporte de Cargas no Rio Grande do Sul (Fetransul); e da empresa lajeadense Tomasi Logística.

“Parar caminhão na rodovia vai resolver o quê?” Indaga.

Segundo Tomasi, o setor de transportes está passando pelo ano mais desafiador de sua história. O Rio Grande do Sul sempre foi protagonista em termos de empresas de transporte. Este ano de 2021 está diferente em relação ao que aconteceu nos últimos 30 anos. “São 13 aumentos que a gente teve no preço do óleo diesel durante este ano, o que representa mais de 65%.”

Este combustível, por sua vez, representa 40% de uma operação de transporte. “Então o setor é muito sensível. Qualquer variação no preço do diesel impacta diretamente na rentabilidade. Os transportadores e operadores de transportes estão sofrendo muito, porque mesmo que se busque um realinhamento das tarifas de frete, sempre demora um pouco mais para o valor ser reconquistado”.

De acordo com o líder sindical, este atraso na recuperação do preço do frete traz graves prejuízos aos transportadores, fazendo muitos desistirem da profissão.

Texto: Rodrigo Gallas
web@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui