Perfeccionismo pode sinalizar necessidade constante de aprovação alheia

Almejo fazer perfeito porque tenho medo de ser julgado, o que é diferente de focar na excelência


0
Foto: Ilustrativa

Meu esposo disse que tem estranhado meu jeito de lidar com a organização da casa. Que, diferente de tempos passados, tem visto louça suja na pia, que a manta chega a ficar amontoada no sofá e que, inclusive, chegou a encontrar minha escova de cabelo sobre a tábua de passar roupa. Escutei as observações e pensei no quanto tenho aprendido a ser imperfeita em pequenas questões cotidianas para conseguir aproveitar o tempo com atividades que considero mais preciosas.


ouça o páginas cotidianas


A preocupação excessiva com a limpeza e ordem da casa já gastou muito tempo da minha vida. Deixava de assistir a um filme com os filhos para tirar o pó da varanda. A varanda segue da mesma forma, com pó, sem pó. Os filhos cresceram e levam, pela vida afora, os momentos que viveram com a família. Se tinha pó na varanda, bem possível, pouco repararam à época e, hoje em dia, lembram muito menos ainda.

A coragem de ousar e a compaixão de nos perdoar são abordadas no livro “A arte da imperfeição”, de Brené Brown. Ela é escritora, professora, pesquisadora na Universidade de Houston, nos Estados Unidos. Na obra, sustenta que gastamos boa parte da vida desejando parecer perfeitos aos olhos dos outros e que acabamos perdendo contato com o que mais verdadeiro, autêntico e sensível em nós. Para ela, o perfeccionismo está fundamentado na crença de que, se vivermos de modo perfeito, poderemos evitar a dor da culpa, do julgamento e da vergonha. Almejo fazer perfeito porque tenho medo de ser julgado, o que é diferente de focar na excelência, que é quando faço tudo do melhor jeito que sou capaz porque quero desenvolver todas as minhas potencialidades.

A grande questão é que, no esforço de querer ser perfeito, o tempo todo, gasto minha energia em tentativas e repetições. Ou, pior ainda, nem tento porque, dessa forma, não corro nenhum risco de ser imperfeito.

Por Dirce Becker Delwing, jornalista, psicóloga e psicanalista clínica

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui