Polícia Civil de Estrela inaugura na sexta-feira cartório com atuação específica contra crimes ambientais 

DP do município recebeu o selo "Delegacia Amiga dos Animais" devido a esta iniciativa, explica Juliano Stobbe


0
Juliano Stobbe, delegado titular da DP de Estrela (Foto: Rodrigo Gallas)

A Delegacia de Polícia Civil (DPC) de Estrela inaugura nesta sexta-feira (25) um cartório com atuação específica contra crimes ambientais. Em entrevista ao programa Panorama da manhã desta quarta-feira (23), o delegado Juliano Stobbe disse que a PC de Estrela tem “esta veia de atuar na questão ambiental, sempre em parceria com as ONG’s.”

Diante deste engajamento, a vereadora do município e defensora da causa animal, Tiane Cagliari, se dispôs a conseguir um contrato de estágio para a instituição de um cartório específico para lidar com estes procedimentos. O cartório será supervisionado por um policial civil e será coordenado por Stobbe.


ouça a entrevista 

 


 

Foi devido a este fato que a PC estadual concedeu o selo “Delegacia Amiga dos Animais” ao município. A Delegacia de Estrela é a primeira no Vale do Taquari a recebê-lo. “É muito importante o reconhecimento por este nosso engajamento na causa ambiental”, enaltece.

Este cartório atuará em crimes de maus tratos contra animais, com a intenção de punir os infratores, mas também trabalhará nas causas referentes a fauna e a flora. Os maus tratos são configurados como quaisquer situação de sofrimento fora do normal para uma animal de estimação.

O Selo

O projeto tem por objetivo atender uma demanda antiga dentro da PC e surge menos de meio ano depois da aprovação da lei que aumenta a punição para o crime de maus-tratos contra cães e gatos para 2 a 5 anos de reclusão, além de multa e a proibição da guarda do animal.

A legislação protege animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos, incluindo cães e gatos, que, aliás, por serem os animais mais comuns em residências são as principais vítimas. Agredir fisicamente, deixar sem comida ou água, sem abrigo adequado ou não procurar um médico veterinário em caso de doença do animal configura maus-tratos.

Texto: Rodrigo Gallas
web@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui