Por meio do conhecimento, mulheres buscam protagonismo no campo

E mais: Na Cozinha, Papos Com Quem Sabe e Estilo.


0
Foto: Tiago Silva

No programa Papos de Mulher deste sábado (7) recebemos a professora Mirian Fabiane Dickel Strate e as estudantes Andressa Wahlbrinck e Daiane Lumi, para falar sobre o protagonismo da mulher no campo, que é impulsionado pela Universidade do Vale do Taquari – Univates por meio do conhecimento oferecido às estudantes. Embora ainda seja uma área com predominância masculina, o cenário vem mudando com o passar dos anos, com as mulheres conquistando seu espaço.

De acordo com a professora Mirian Fabiane Dickel Strate, do curso Técnico em Agronegócio da Univates, a maior presença do público feminino é resultado de uma transição no setor da agricultura. “Estudos mostram que as mulheres já representam cerca de 30% da classe atuante no agronegócio. Destaca-se o crescimento do número de mulheres na agricultura brasileira, que passou de 9,3% em 2006 para 12,1% em 2017. Isso é um grande passo, pois mostra a importância da mulher rural como protagonista de um processo de transição na agricultura, com a produção de alimentos, exercendo papel de liderança a partir da ética do cuidado com a vida e promovendo a saúde planetária”, ressalta.


ouça a entrevista

 


 

Filha de agricultores, Mirian vive uma vida ligada ao campo. Criada na agricultura, ela uniu a paixão e o desejo de aprofundar seu conhecimento. “Escolhi o curso de Ciências Biológicas para compreender os ecossistemas e como preservar os ambientes. Mesmo me mudando para a cidade, mantive o vínculo com a agricultura durante a faculdade, tendo atuado com agricultores nos projetos de extensão”, conta. Após finalizar o curso, Mirian ainda fez mestrado em Desenvolvimento Rural, e hoje está cursando doutorado em Desenvolvimento Rural e realizando pesquisas sobre a sustentabilidade na agricultura.

Atuando no setor social do departamento técnico de uma cooperativa, a estudante Andressa Wahlbrinck buscou no curso Técnico em Agronegócio uma oportunidade de aprofundar seu conhecimento em sua área de atuação. “O agro sempre me deu muito orgulho, mas eu sentia vontade de me inserir em uma empresa, fazer parte de um processo corporativo. Foi então que fui contratada por uma cooperativa, na qual trabalhei por pouco mais de três meses em uma linha de produção de uma das plantas industriais. Posteriormente surgiu a oportunidade de trabalhar no setor social do departamento técnico”, relata.

De acordo com a estudante, o ingresso na cooperativa também foi um motivo para a mudança de planos em sua vida. “Antes de trabalhar na cooperativa, havia ingressado em Biomedicina. Quando comecei a trabalhar lá resolvi trancar o curso e ingressar em Administração, pois me encontrei como profissional e vi uma ótima oportunidade de crescimento. Depois disso, fiquei sabendo que a Univates iria disponibilizar o curso Técnico em Agronegócio, foi então que me inscrevi para complementar meus estudos e, assim, me tornar uma profissional melhor”, conta.

Foto: Tiago Silva

Colega de Andressa, Daiane Lumi também tem contato desde pequena com o agronegócio. Nascida e criada no campo, a estudante resolveu buscar qualificação na área pois percebia que muitos produtores têm dificuldade com o fluxo de caixa. “Minha relação com o agronegócio começou na infância, com toda minha família tendo uma relação muito forte principalmente com negócios de bovinocultura de corte. Mas o que me motivou a buscar conhecimento nessa área é que eu sou da área da gestão e minha família sempre foi da área do agronegócio, então as coisas se juntaram. Percebo que muitos produtores não mensuram o lucro através das entradas menos as saídas. Eles têm uma boa produtividade por área, mas muitos gastos com insumos, então quero poder instruir os produtores para que consigam um retorno ainda maior e sem gastar tanto”, explica.

Para Daiane, a mulher sempre esteve inserida no agronegócio, porém nos últimos tempos vem buscando o protagonismo e a igualdade. “A mulher sempre esteve inserida no agronegócio, mas nunca foi protagonista dos negócios, sempre trabalhou de uma forma muito ferrenha. Hoje em dia vejo que as coisas estão mudando, muitas mulheres estão lutando pela autonomia e dividindo o espaço com os homens”, salienta. AI


Estilo, com Douglas Petry

Douglas Petry (Foto: Divulgação)

Todo sábado, o consultor Douglas Petry traz um conteúdo especializado em moda, arte, decoração, estilo e bom gosto.

Nesta edição do Papos de Mulher, Douglas fala sobre os acessórios feitos a mão que estão super em alta. As miçangas voltaram.

Ouça o quadro!

 

 


Papos Com Quem Sabe, com Ana Claudia Kist 

Ana Claudia Kist (Foto: Divulgação)

No quadro Papos com quem sabe deste sábado (9), a especialista em marketing e idealizadora do Atelier de Mkt em Venâncio Aires, Ana Cláudia Kist traz três insights sobre a mudança no comportamento do consumidor.

Ouça o quadro!

 

 


Na Cozinha: Pão de queijo com três ingredientes

com Daniel Bortolini.

Ingredientes:

1 xícara de queijo parmesão ralado
1 e 1/2 xícara de polvilho azedo
1 caixa de creme de leite

Preparo:

Incorpore cerca de 1 xícara do polvilho com o creme de leite. Misture o queijo e, em seguida, o restante do polvilho, até formar uma massa homogênea. Faça bolinhas e coloque em uma forma. Leve ao forno a 180 graus por cerca de 30 minutos.
É possível congelar os pãezinhos. Leve ao congelador as bolinhas separadas em uma forma e, após congelarem, guarde em um saquinho, podendo fazer quanto e quando quiser.

Foto: Reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui