Prefeito e secretário de obras de Colinas podem perder cargo político após ação ajuizada pelo MP

Em denúncia ao Ministério Público de Estrela, servidores municipais disseram que sofriam ameaça e perseguição e eram obrigados a trabalhar na chuva


0
Foto: Reprodução

O prefeito de Colinas Sandro Herrmann e o secretário de Obras Odilo Antônio da Costa, podem perder o cargo político e a suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos se a Justiça de Estrela entender que ambos cometeram assédio moral a servidores municipais. Além disso, o pagamento de multa de até 100 vezes o valor da remuneração recebida, também está previsto como punição.

A denúncia chegou ao Ministério Público de Estrela em 2019, teve processo arquivado, e agora a ação foi ajuizada pelo promotor Daniel Cozza Bruno. O doutor conta que há dois anos atrás o MP solicitou ao município a abertura de uma sindicância para apuração dos fatos, mas após as denúncias retornaram a Promotoria. “Na época fizemos uma audiência com o prefeito e o secretário para que o município apurasse os fatos com uma sindicância, passado um tempo, foi feita essa sindicância, mas alguns servidores retornaram dizendo que os fatos se repetiam, então entendemos por instaurar um inquérito civil e foi feita uma longa investigação que resultou em um ajuizamento”, explica Cozza.

Conforme o promotor, ação de improbidade administrativa geralmente é demorada, e pode levar de 6 meses a 5 anos para se tomar uma decisão. O processo tramita na Comarca de Estrela.

“Se eu fiz é porque realmente está acontecendo’’

Paulo Alexandre Schuster é servidor da secretaria de Obras do município. Ele levou a denúncia de assédio moral, ameaça, perseguição e trabalho na chuva sem proteção ao MP. Ele fala que a situação acontece há anos. “Temos provas, áudios, vídeos, coisas que mostram que não estamos mentindo, tanto que o promotor acatou a denúncia. A primeira vez que eu fui fazer a denúncia eu não tinha provas, mas dali em diante comecei a juntar registros”, conta.

O servidor fala que já foi longe demais para provar a verdade. “A primeira denúncia que fiz foi na Brigada Militar por ameaça, ele iria me tirar da prefeitura se eu não trabalhasse na chuva, e depois houve mais alguns casos que levei para a Promotoria, e mais ameaças que levei para a Polícia Civil. Se a gente tivesse mentido, acredito que não iríamos tão longe. Se eu fiz é porque realmente está acontecendo”, relata.

O prefeito Herrmann não respondeu às mensagens da reportagem acerca do assunto.

Texto: Caroline Silva
jornalismo@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui