Prefeitos do Vale do Taquari querem abertura do comércio em bandeira vermelha

Sugestões ao modelo de cogestão do Distanciamento Controlado foram definidas na tarde desta quinta-feira (13), durante assembleia da Amvat.


0
Dados da semana, que transitam entre laranja e vermelha, foram apresentados (Foto: Natalia Ribeiro)

Reunidos no prédio 11 da Univates, na tarde desta quinta-feira (13), os prefeitos do Vale do Taquari aprovaram o primeiro protocolo de cogestão ao Distanciamento Controlado. Eles querem a possibilidade de abrir o comércio se a região receber bandeira vermelha. No encontro também foi discutida a retomada das aulas.


OUÇA A ENTREVISTA


Números da semana que está em vigor indicam a possibilidade de classificação vermelha para a região de Lajeado no mapa preliminar a ser divulgado nesta sexta-feira (14). O que mais preocupa os gestores públicos é a ocupação de leitos no Rio Grande do Sul, que tem aumentado os últimos dias.

Levantamento em parceria entre a Associação de Municípios do Vale do Taquari (Amvat), que promoveu a assembleia, e o Hospital Bruno Born (HBB), de Lajeado, apontam para a disponibilidade de 59 leitos de UTI na macrorregião, contra 61 da semana passada. A macrorregional tem as regiões de Cachoeira do Sul, Lajeado e Santa Cruz do Sul. O total de pacientes internados nos leitos é de 47.

Diretor executivo do HBB, Cristiano Dickel estima que a média ponderada da região de Lajeado esteja entre 1,31 e 1,68. Para ingressar na bandeira vermelha, basta alcançar 1,50. “A bandeira final indica para vermelha, mas poderá haver surpresa, dependendo do dado e critério a ser adotado pelo Estado em relação às hospitalizações, pacientes da região que encontram-se internados fora ou não e ainda durante o dia pode ter variação dos leitos disponíveis no RS, que, no momento, variaram de uma bandeira amarela para uma bandeira vermelha neste indicador”.

O protocolo foi elaborado entre Amvat e HBB. A apresentação foi feita por Dickel. Todos os prefeitos presentes, 24, aprovaram a proposta. Era necessário dois terços, ou seja, 24 dos 36 associados à entidade. O esboço não é fixo e, por isso, poderá ser alterado conforme a evolução ou não da Covid-19. O que a região pede é a flexibilização de quatro dos 11 indicadores do Distanciamento Controlado.

– Protocolo de laranja na administração pública, permitindo o funcionamento;
– Manutenção do teto de operação em vermelho para alojamento e alimentação, com alteração no modo de atendimento de restaurantes, lanchonetes e lancherias, liberando o presencial restrito das 7h às 23h;
– Ao comércio, atender integralmente em bandeira laranja;
– Aos serviços, adotar integralmente com regras da bandeira laranja.

A proposta deve ser protocolada e encaminhada ao governo do Estado até as 12h desta sexta-feira, com o objetivo de ter validade na próxima rodada do programa. Durante a reunião ainda foi firmado um comitê permanente para tratar do assunto. A cogestão atende a um pedido dos prefeitos por mais autonomia no modelo.

Ocupação respeitou distanciamento no auditório da Univates, em Lajeado (Foto: Natalia Ribeiro)

O grupo conta com as seguintes presenças: secretário de Saúde de Lajeado, Cláudio Klein, diretor executivo do HBB, Cristiano Dickel, coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Lajeado, Juliana Demarchi, coordenadora da Vigilância em Saúde de Estrela, Carmen Hentschke, e médico doutor Paulo Fuhr, de Encantado.

Para o presidente da Amvat e prefeito de Imigrante, Celso Kaplan (PP), agora cabe à comunidade fazer a sua parte. “A responsabilidade é de cada um, dos cidadãos do Vale do Taquari, de nós adotarmos esse protocolo e ter a responsabilidade de cumprir. Prevenção agora é fundamental, se o distanciamento não acontecer, se não cumprirmos, vamos da vermelha para a preta e não teremos o que fazer”, comenta.

Texto: Natalia Ribeiro
jornalismo@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui