Univates expande projeto que ensina língua portuguesa para imigrantes em Lajeado

Aulas acontecem, também, no bairro Universitário aos domingos


0
Foto: Lucas George Wendt

O projeto de extensão “Vem pra cá!”, da Universidade do Vale do Taquari – Univates, desde 2014 oferece aulas semanais e gratuitas de língua portuguesa como língua adicional para imigrantes, ministradas por bolsistas e voluntários no Colégio Estadual Presidente Castelo Branco, o Castelinho, em Lajeado.

A partir deste mês, as atividades do projeto se expandem na cidade, com aulas que passam a acontecer também no bairro Universitário, aos domingos, das 15h às 17h. As aulas acontecem no endereço rua Nossa Senhora de Lourdes, na sala ao lado da igreja. No Colégio Castelo Branco as aulas continuam nas terças-feiras, das 9h às 11h.

A ampliação das aulas busca oferecer mais uma oportunidade para imigrantes participarem das atividades, uma vez que, durante a semana, muitos trabalham nos horários em que as aulas tradicionalmente acontecem.

A oferta de aulas de língua portuguesa como língua adicional é uma forma de a Universidade auxiliar a comunidade imigrante, crescente em Lajeado, possibilitando mais autonomia na comunicação, na vida cotidiana e no exercício da cidadania no Brasil.

As aulas são ministradas por acadêmicos e professores voluntários do projeto “Vem pra cá”, coordenados pela professora Maristela Juchum. Os acadêmicos que assumiram as aulas no bairro Universitário estão matriculados na disciplina de Vivências em Território do Aula +, nova proposta de graduação da Univates, que oferece componentes curriculares cujas ações estão vinculadas à extensão universitária.


OUÇA O DEPOIMENTO DA PROFESSORA


Interessados podem obter mais informações pelo e-mail vempraca@univates.br. Confira aqui reportagem sobre o projeto.

Atividades durante a pandemia

Mesmo durante a pandemia de covid-19, o projeto seguiu com as atividades, com o objetivo de prestar assistência aos imigrantes também nesse período. Participam das aulas de língua portuguesa cerca de 80 pessoas que residem na região e que vieram de países como Haiti, Bangladesh, Marrocos, Guiné-Bissau, Paquistão e Egito. De abril até agosto de 2020 foram realizadas atividades de forma virtual pelo WhatsApp, em um grupo criado pela organização do projeto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui