“Quem gosta de ver sofrimento é psicopata”, diz deputado que propõe o fim dos rodeios

"Eu sou psicanalista. Por isso eu digo: isso não é parte da cultura, nem parte de uma pessoa inteligente com normalidade de seus fins emocionais", declara Rodrigo Maroni em entrevista à Rádio Independente


0
Rodrigo Maroni concedeu entrevista exclusiva à Rádio Independente (Foto: Assembleia Legislativa / Divulgação)

O deputado estadual Rodrigo Maroni (PSDB) protocolou na última quarta-feira (4) um projeto de lei na Assembleia Legislativa, que propõe o fim dos rodeios no estado do Rio Grande do Sul. De acordo com ele, o objetivo da proposta é acabar com maus-tratos em um evento onde os animais são humilhados e machucados de todas maneiras possíveis. Em entrevista exclusiva à Rádio Independente, nesta segunda-feira (9), o parlamentar afirma: “Quem gosta de ver sofrimento é psicopata. Eu sou psicanalista. Por isso eu digo: isso não é parte da cultura, nem parte de uma pessoa inteligente com normalidade de seus fins emocionais.”

Maroni é enfático ao dizer que os rodeios são locais onde os animais estão tristes, pois sofrem constantemente com o tratamento recebido dos adeptos à prática. “Coloque teu filho com dor, corcoveando, apertando os testículos, pulando enforcado, quebrando o dedo e o braço, e avalie se ele está feliz nessa situação. Se tu ama o animal, tu pode colocar o teu filho também. Digo filho, porque o animal tem uma consciência de uma criança.” Segundo ele, a consciência do animal é equivalente a de um ser humano de três ou quatro anos.

Nesse sentido, diz para as pessoas que descordam contatarem veterinários para saber da opinião deles sobre o estado emocional do animal nos rodeios. “O animal não escolhe estar ali. Tenho certeza que 90% das pessoas que vão no rodeio nunca pararam pra pensar, pois não olhavam o animal como um ser decente. Olham como parte da festa, como objeto do entretenimento.”

O deputado afirma que “muita gente” é criada para ser doente. “A doença é passada de pai, de avô. A psicopatia é construída muitas vezes dentro da família [..]. O cara que explora o animal, que ganha com o ingresso. Esse aí é sádico, é psicopata.”

O tucano descreve ainda que os rodeios são eventos onde o crime de maus-tratos aos animais é legalizado. Isso porque se maltratar um animal na rua a pessoa pode ser presa, já no rodeio, não. “Não é possível que a cultura gaúcha defenda maus-tratos”. Ele diz que os eventos poderiam continuar, mas sem os animais. “O beber, dançar, cantar, brincar: isso pode manter.”

Maroni relatou estar sendo ameaçado de morte, mas tem consciência de que seu projeto “tem toda legitimidade do mundo. Pelo contrário, acho lamentável a gente em 2022 discutir que isso é polêmico. Pra mim isso não tem nem justificativa, só que temos muitas pessoas burras, políticos que querem voto. A arma do político é o voto. [..] Eles sabem que é uma idiotice colocar animal em rodeio, mas sabendo que é idiota, falam a favor pra não perder voto.”

Texto: Rodrigo Gallas
web@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui