Recomendadas por ditador, vodca e sauna não aplacam disseminação do coronavírus em Belarus

Doença se alastra rapidamente no país a despeito de diretrizes de Alexander Lukaschenko, que rejeita quarentena e nega a pandemia.


0
Alexander Lukashenko, presidente da Belarus, no centro, durante jogo de hóquei de gelo no dia 28 de março de 2020 (Foto: Andrey Pokumeiko/BelTA/Divulgação/Via Reuters)

No fim de março, Belarus tinha 94 casos confirmados do novo coronavírus, o que conferiu a seu ditador, Alexander Lukashenko, poder para descartar o isolamento social e decretar que vodca e sauna eram a melhor receita para combatê-lo. A doença não deu trégua e alastrou-se rapidamente entre 16 mil pessoas, numa das maiores taxas de infecção da Europa Oriental. Avança numa média de 800 casos diários e registra 100 mortos.

Ainda assim, presidente-negacionista, que concorre ao sexto mandato, desafia a pandemia e mantém para o próximo sábado o desfile militar para comemorar os 75 anos do Dia da Vitória na Segunda Guerra Mundial. “Eu procedi com uma sabedoria simples que nosso povo tem. Quando as coisas estão difíceis, é melhor não mudar nosso modo de vida”, justificou Lukashenko sobre a decisão de não cancelar a celebração.

Sob as ordens do ditador, que concorre em agosto ao sexto mandato, o país de 9,5 milhões de habitantes, incrustado entre Ucrânia, Polônia, Rússia, Lituânia e Letônia, contrariou, em tom de zombaria, as recomendações da Organização Mundial de Saúde. Belarus integra o grupo isolado apelidado pelo professor de relações internacionais Oliver Stuenkel de Aliança do Avestruz, formado por Brasil, Tajiquistão e Nicarágua, onde os líderes recusam-se a levar a pandemia a sério.

Por isso, por decisão de Lukashenko, lá não há estímulo para quarentena. Representaria, de acordo com o ditador, sinal de acovardamento: “É melhor morrer em pé do que ajoelhado”, vaticina.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui