Renata Silveira estreia como primeira narradora de futebol na Globo: ‘Sensação de ser desbravadora’

Ela começou a carreira em 2014 após vencer o concurso 'Garota da Voz'


0
Foto: Reprodução/Instagram

É hoje! Renata Silveira estreia como a primeira narradora de futebol da Globo na transmissão da partida entre Moto Club e Botafogo, às 21h30 no SporTV. Contratada pela emissora em dezembro do ano passado, ela começou a carreira em 2014 após vencer o concurso ‘Garota da Voz’ da Rádio Globo e comandar a partida entre Uruguai e Costa Rica na Copa do Mundo no Brasil. Na Fox Sports, a jornalista narrou o Mundial da Rússia, em 2018. após ser selecionada no projeto do canal chamado “Narra Quem Sabe”, comandado pela jornalista Vanessa Riche, sua inspiração na carreira.

Apesar da experiência, ela entende que estrear no Grupo Globo, com possibilidade de narrar no canal aberto, que nunca teve uma voz feminina na narração de um futebol, tem um peso maior. A sensação é de ser uma desbravadora, abrindo caminhos para as próximas que virão. Uma responsabilidade muito grande, mas ao mesmo tempo, estou muito confiante, por atuar na área desde 2014. Aos poucos, as mulheres ganham cada vez mais espaço no esporte, inclusive na Globo, mas Renata percebe que o quadro de funcionários ainda não está equilibrado. “É um caminho sem volta. As mulheres estão conquistando seu espaço em diversas funções do jornalismo esportivo, com talento e trabalho. O equilíbrio ainda não existe, mas vamos chegar lá”.

E será que atualmente Renata ainda escuta piadinhas machistas, do tipo que “mulher não entende de futebol”? Infelizmente ainda é uma realidade muito presente no meu dia a dia. Reajo ignorando e isso muitas vezes é combustível para continuar e fazer ainda melhor. Ela costuma acompanhar as repercussões e críticas de seu trabalhos nas redes sociais, mas avisa: “Caso ache um dia que isso está me fazendo mal, paro de olhar”.

“Talento e conhecimento não têm gênero” Dividir a narração da partida de futebol com comentaristas mulheres seria interessante para Renata, mas ela tem preferência por um trabalho misto, com os dois gêneros. “Talento e conhecimento não têm gênero. Meu voto é para que as transmissões sejam mistas, mas se tiver uma transmissão 100% feminina, vou adorar também”.

Jogo dos sonhos Narradora de importantes partidas da Copa do Mundo, incluindo alguns jogos do Brasil e a grande final de 2018, ela tem o desejo de emocionar os telespectadores com um hexa brasileiro. “Comecei da melhor forma possível. Mas narrar o Brasil campeão da Copa do Mudo seria um sonho”. Formada em Educação Física e pós graduada em Jornalismo Esportivo. A jornalista conta que nunca imaginou que seria uma narradora, apesar de o futebol estar sempre presente em sua vida. “Desde a infância, acompanhando meu pai e minha irmã no estádio e brincando na escola. Mas o interesse pela profissão é recente. Na época em que estava cursando a pós, surgiu o concurso da Rádio Globo ‘Garota da Voz’, e foi ali que tudo começou”.

Fonte: UOL


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui