Rio Grande do Sul tem 96 mortes e 5.505 casos de coronavírus confirmados neste sábado

Estado já tem 36% das pessoas vacinadas com a primeira dose e 14% com a segunda


0
Foto: Reprodução / Shutterstock

O Rio Grande do Sul teve 96 óbitos e 5.505 novos casos de Covid-19 informados pela Secretaria da Saúde do Estado neste sábado (19). Entre as vítimas, 16 moradores de Porto Alegre, 11 de Pelotas, cinco de Caxias e um de Lajeado. Dentre os novos casos, 114 são de moradores do Vale do Taquari, o que representa 2%.

Agora, o Estado chega a um total de 1.181.872 casos confirmados. Desses, 1.128.061 são considerados recuperados (95,4%); 23.356 casos ativos (2%); e 30.372 pessoas morreram em decorrência do coronavírus (2,6%).

Leitos

Às 19h deste sábado (19), 86,7% dos leitos de UTI do estado estavam ocupados. Eram 2.944 pacientes para 3.396 leitos disponíveis. Na sexta-feira (18) a ocupação estava em 87,4%.

Vacinação

Rio Grande do Sul já tem 4.150.545 de pessoas vacinadas com a primeira dose da vacina contra a Covid-19, o que representa 36,3% dos 11.422.973 habitantes gaúchos. Desses, 1.677.997 (14,7%) já receberam a segunda dose.

Brasil

Segundo o site da CNN, o Brasil ultrapassou a triste marca de 500 mil vítimas da Covid-19 neste sábado (19). Conforme o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) foram 2.301 mortes e 82.288 novos casos da doença nas últimas 24 horas.

Com a atualização, o país soma 500.800 mortes e 17.883.750 contaminados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, em março de 2020.

A média móvel de mortes ficou em 2.075 neste sábado, o número corresponde ao balanço de mortes registradas nos últimos sete dias. O índice vem apresentando alta no mês de junho.

O Brasil é a segunda nação no mundo com o maior número de vítimas da Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, que registram 601.574 mortes, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

O Brasil tem 61.859.364 que já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 (29,21% da população brasileira) e 24.171.806 receberam a segunda dose (11,41%).

Texto: Ricardo Sander
ricardosander@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui