“RS é pioneiro na adoção de uma lei específica para combater o desaparecimento de crianças e adolescentes”, diz ministra Damares

Ernani Polo (E), Damares Alves e Tenente-Coronel Zucco.


0
Foto: Joel Vargas/AL

“RS é pioneiro na adoção de uma lei específica para combater o desaparecimento de crianças e adolescentes”, diz ministra Damares Alves

“Sinto muito orgulho porque o Rio Grande do Sul é pioneiro na adoção de uma lei específica para combater o desaparecimento de crianças e adolescentes”, declarou, na manhã desta segunda-feira (26), a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, em cerimônia no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa do RS.

Ela foi agraciada pelo deputado estadual Tenente-Coronel Zucco com a Medalha da 55ª Legislatura do Parlamento gaúcho. Zucco é autor do projeto, transformado em lei, que previne e coíbe o desaparecimento de menores por meio da criação de um banco de dados e imagens que se tornará política nacional por parte do ministério.

A ministra revelou que, anualmente, no Brasil desaparecem 42 mil menores, dos quais entre 9 mil e 11 mil nunca são encontrados. “É o flagelo da família que resulta em suicídios, separações e outras situações graves”, acrescentou. Damares disse ainda que o ministério lançará um aplicativo pelo qual o desaparecimento será comunicado aos moradores dos bairros e das cidades, além das polícias de fronteira. Lembrou que estudos e pesquisas indicam que, em seis segundos, é possível que ocorra o desaparecimento de um menor por causa de uma rápida distração de pais e responsáveis.

Damares advertiu ainda que o sumiço de menores está ligado ao crime organizado, que lucra com o sofrimento de milhares de famílias. “Vai um recado para vocês, sequestradores e abusadores de crianças: acabou para vocês! Vamos enfrentar todos vocês e proteger as nossas famílias e menores!”, concluiu.

“Ela não desanima jamais. Pelo contrário, faz das críticas o combustível para seguir adiante”, observou Zucco sobre o trabalho da ministra.

Já o presidente da Assembleia Legislativa gaúcha, Ernani Polo (PP), destacou a emoção do momento e o significado da medalha, “criada para homenagear e reconhecer personalidades que, por sua trajetória, prestaram relevantes serviços à sociedade”. Ele destacou o trabalho e a atuação da ministra, desde os anos 1980, na proteção da infância e de crianças em situação de rua e de indígenas com deficiência.

Fonte: O Sul

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui