Saiba o que configura-se como assédio sexual no trabalho

As denúncias de assédio feitas por atrizes da Globo a Marcius Melhem trouxeram o assunto à tona.


0
Advogada Candida Arend (Foto: Rodrigo Gallas / Arquivo)

As denúncias de assédio feitas por atrizes da Globo a Marcius Melhem voltaram à tona na última sexta-feira (04): uma reportagem trazida pela revista “Piauí” detalhou, após ouvir mais de 43 pessoas, o comportamento do ator, até então diretor de núcleo de humor da emissora — função da qual já foi afastado em agosto deste ano após demissão —, e também a reação do departamento de empresa responsável pela investigação.

Dani Calabresa foi a primeira atriz a relatar, dentro da Globo, a situação e insistir que as medidas cabíveis fossem tomadas. Além dela, outras seis vítimas de assédio moral, das quais três também sofreram assédio sexual, deram depoimentos à publicação.

Para esclarecer o que configura-se assédio sexual no ambiente de trabalho recebemos no quadro “Sem Preconceito” desta sexta-feira (11), a advogada Candida Arend.

Segundo ela, o assédio sexual é definido, de forma geral, como o constrangimento com conotação sexual no ambiente de trabalho, em que, como regra, o agente utiliza sua posição hierárquica superior ou sua influência para obter o que deseja. Pode ocorrer tanto de homem para mulher, como para de mulher para homem ou entre pessoas do mesmo gênero sexual.

Candida explica que quando acontece entre pessoas do mesmo setor, que tenha o mesmo poder hierárquico, a importunação sexual não configura-se como assédio sexual. “A pessoa não está te oferecendo uma vantagem ou um prejuízo, em caso de recusa. Existe uma relação de poder nesta violência especificamente. Tem que ter esta subordinação”, explica.

Para configurar assédio sexual não é preciso que o ato seja consumado. A importunação ao ato já é suficiente. Ela ainda aconselha que a vítima de assedio sexual busque, primeiramente, amparo junto a empresa onde atua — levando provas se tiver. Caso a empresa seja omissa à situação, a vítima deve procurar o Ministério Público do Trabalho ou algum profissional da área do direito. Ouça a entrevista e saiba mais!


ouça a entrevista

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui