São João no Parque terá “fogueira flutuante”, revela Ditmar Born  

A 15° edição ocorre em 26 de junho, do meio-dia às 20h, no Parque Ney Santos Arruda, em Lajeado — próximo ao Rio Taquari


0
A fogueira teve 12,64m de altura na última edição. Tradicionalmente, a estrutura cresce de tamanho a cada evento (Foto: Arquivo / Grupo Independente)

A 15° edição do São João no Parque de Lajeado terá uma “fogueira flutuante”, revela um dos idealizadores do evento, o comunicador Ditmar Henrique Born. “Acreditem! A fogueira estará montada dentro de uma lagoa.” A afirmação foi realizada em entrevista ao programa Panorama da Rádio Independente, que também contou com a participação do titular da Secretária de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) de Lajeado, Carlos Reckziegel. A festa junina deve ocorrer em 26 de junho, do meio-dia às 20h.

A fogueira teve 12,64m de altura na última edição. Tradicionalmente, a estrutura cresce de tamanho a cada evento. O empresário, engenheiro civil e líder comunitário Léo Katz será mais uma vez o responsável pela construção. Além da queima da fogueira, estão sendo programadas apresentações artísticas, comidas típicas, encenação de casamento caipira, dança da quadrilha, atividades típicas da comemoração, feira de artesanato e oficinas. A programação completa do evento será divulgada em breve.

A grande novidade deste ano, já anunciada anteriormente, é a nova sede. O Parque Ney Santos Arruda, próximo ao Rio Taquari, será o palco do evento, visando a valorização do local. “É uma iniciativa pioneira que deverá se postergar para outras atividades”, explica Reckziegel.

Para Born, o São João no Parque tem uma essência diferente em relação a outros eventos juninos que ocorrem no país e, talvez, até fora dele. Isso porque o apoio recebido por entidades na realização da festividade é crucial para o sucesso. “Elas trazem o essencial que é, principalmente, a gastronomia e oficinas”, pontua. Até 40 produtos gastronômicos diferentes devem ser disponibilizados à comunidade visitante. As apresentações artísticas ficam por conta da Secel.

Texto: Rodrigo Gallas
web@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui