Segunda-feira com três óbitos e 6.349 novos casos de covid no RS

Até às 16h desta segunda-feira (10), 51,1% dos leitos de UTI do estado estavam ocupados


0
Foto: Reprodução / Shutterstock

O Rio Grande do Sul registrou nesta segunda-feira (10), três óbitos e 6.349 novos casos de covid. Agora, o Estado chega a um total de 1.535.484 casos confirmados. Desses, 1.467.673 são considerados recuperados (95,5%); Em acompanhamento

Em acompanhamento 31.219 casos ativos (2%) e 36.484 morreram em decorrência do coronavírus (2,3%).

Leitos

Às 16h desta segunda-feira (10), 51,1% dos leitos de UTI do estado estavam ocupados. Eram 1.636 pacientes para 3.200 leitos disponíveis.

Vacinação

O sistema de registros de pessoas vacinadas no RS não é atualizado desde o dia 9 de dezembro, ou seja, há mais de um mês. Até esta data os números eram os seguintes: 8.904.911 pessoas vacinadas com a primeira dose da vacina contra a covid, o que representa 77,6% dos 11.466.630 habitantes gaúchos. Desses, 7.692.839 já receberam a segunda dose (67%); e 304.444 receberam dose única (2,6%), totalizando 7.997.283 pessoas com o ciclo vacinal completo (69,7%).

Brasil

Conforme informações do site G1, o Brasil registrou 23.504 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 22.522.310 diagnósticos confirmados desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi a 33.146 – a maior registrada desde 23 de setembro do ano passado (quando estava em 34.366). Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +669%, indicando tendência de alta nos casos da doença. O país também bateu a triste marca de 620 mil mortes pela doença neste domingo. Em seu pior momento, a curva da média móvel nacional chegou à marca de 77.295 novos casos diários, no dia 23 de junho de 2021. O país também registrou 50 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 620.031 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias foi a 123. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +28%, indicando tendência de alta nos óbitos decorrentes da doença.

Texto: Rita de Cássia
redacao@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui