Serviço Geológico do Brasil instalará postes de 12 metros e radares para evitar falhas no sistema de monitoramento do Rio Taquari

Equipe do SGB/CPRM seguirá no Vale do Taquari nas próximas semanas; previsão é de que os novos equipamentos comecem a funcionar até agosto


0
Poste de 12 metros será instalado nas proximidades da régua físcia do Rio Taquari (Foto: Ricardo Sander)

A equipe do Serviço Geológico do Brasil (SGB/CPRM) que monitora e divulga os dados sobre as chuvas e o nível da bacia do Taquari/Antas está no Vale do Taquari e deverá fazer uma série de melhorias no sistema a fim de evitar problemas em futuras cheias. Postes de concreto com 12 metros de altura, serão instalados fora do leito do rio, para que a água não alcance o topo da estrutura, onde ficará o equipamento que faz a conexão com os sensores (plataforma de coleta de dados), instalados no rio.

Além disso, a estrutura passará a contar também com radares eletromagnéticos, que emitirão as informações do comportamento do rio em caso de perda do sinal dos sensores de pressão, instalados no leito do rio. Os novos equipamentos deverão estar em funcionamento até o mês de agosto.

A informação foi confirmada pelo superintendente do SGB/CPRM, Franco Buffon, em entrevista à Rádio Independente.

A melhoria será implantada em Lajeado, Encantado, Muçum e na Vila Mariante, em Venâncio Aires. Em Encantado o poste de 12 metros já está instalado e não foi danificado nas enchentes de maio. Nesta terça e quarta-feira, esses municípios foram visitados por Buffon e pela nova gerente de Hidrologia e Gestão Territorial do SGB, Marcia Pedrollo, que assume a vaga que era de Buffon. Em reunião com gestores e representantes da Defesa Civil desses municípios eles também ouviram as solicitações das administrações municipais.

Franco Buffon (Foto: Ricardo Sander)

Em Lajeado, o poste será instalado junto a empresa de Vinagres Prinz, a alguns metros da régua física do Rio Taquari, na Rua Oswaldo Aranha, no Centro. “O topo deste poste chegará na cota de 36 metros do Rio Taquari”, explica Buffon. Ou seja, cerca de 2,5m acima do pico da maior enchente da história do Rio Grande do Sul, em maio, que em Lajeado, conforme informações ainda preliminares do SGB/CPRM, alcançou 33,66m, cerca de 4m acima da enchente de setembro de 2023. Nos outros municípios os postes também serão instalados junto às réguas físicas, no intuito de diminuir as diferenças de medições em relação ao sistema online do SGB/CPRM.

Na enchente de maio, os sensores de pressão instalados em Linha José Júlio (Santa Tereza), Encantado e Estrela/Lajeado foram danificados e em Estrela o poste instalado junto ao Porto de Estrela também foi levado pela água. O sistema do SGB/CPRM segue sem essas informações.

Franco Buffon e Marcia Pedrollo (Foto: Ricardo Sander)

Informações a cada 15 minutos

Outra melhoria já solicitada pelo SGB à Agência Nacional de Águas (Ana), que virá ao Vale do Taquari nos próximos dias, é uma modificação no sistema de transmissão de dados. Hoje as atualizações das leituras da bacia do Taquari/Antas acontecem a cada hora e de forma dessincronizada. A solicitação que deverá ser atendida é de que o sistema seja abastecido com informações a cada 15 minutos, através de modificação no código de identificação com satélite. “Num rio que é extremamente rápido e violento, como o Rio Taquari, isso pode fazer bastante diferença na disponibilização dos dados para a Defesa Civil e para a comunidade”, afirma.

Marcia Pedrollo acredita que haverá um maior investimento em equipamentos na região por parte da Ana. “A Agência Nacional de Águas está bastante sensibilizada, pois todos viram que o evento foi muito violento e que precisa mesmo (de investimento). A gente acredita que vai conseguir melhorar o sistema e aumentar o número de pontos de monitoramento. Vai aumentar a quantidade de informações e também diminuir a chance de perder os equipamentos durante o evento”, cita.

Texto: Ricardo Sander
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui