Setor de eventos gaúcho organiza primeiro teste para retorno das atividades no próximo domingo; saiba como será

A programação para até 600 pessoas acontecerá na Casa NTX, em Porto Alegre


0
Foto: Ilustrativa / Pixabay

O setor de entretenimento noturno gaúcho se prepara para o primeiro teste para o retorno das atividades com o arrefecimento da pandemia de coronavírus no estado. O evento será realizado em Porto Alegre no próximo domingo (25). Será uma festa para até 600 pessoas, em um local que pode receber até 2 mil pessoas. A programação acontecerá na Casa NTX, das 16h às 23h, e terá como atrações os DJs Pic Schmitz, Adriano Carazzo, João Veppo e Ozzone, além do Grupo Sambatri.

As medidas de segurança contra a Covid-19 foram construídas numa parceria entre os organizadores e a Secretaria Estadual da Saúde. A festa terá triagem clínica e testagem do público para liberação da entrada. Aqueles que adquirirem ingressos terão que realizar o teste rápido de antígeno. Um dos organizadores, Marcos Paulo Magalhães explicou ao programa Troca de Ideias desta quinta-feira (22) como funcionará.

De acordo com ele, um contingente será testado 30 horas antes do evento e na hora de entrar na casa noturna; e outras pessoas serão testadas só na hora do evento, em um grupo controlado. Além disso, a organização fará um acompanhamento posterior à atividade – se a pessoa apresentou sintomas, se se sentiu segura durante o show com o protocolo adotado –, além de nova rodada de testagem.

“Dentro do evento, as pessoas vão ter a prerrogativa de ‘se aglomerar’”, explica Magalhães. “Festa sem pistas de dança e sem aglomeração não existe”, reconhece.

De acordo com ele, os protocolos são inspirados em eventos-teste que se mostraram exitosos na Europa, e os organizadores estão alicerçados e orientados por infectologistas.

Para Magalhães, o teste é uma mostra do que aconteceria com a liberação dos eventos no RS, com os protocolos contra a Covid-19. Os resultados serão entregues à Secretaria da Saúde “para que eles avaliem e comprovem que é possível fazer uma abertura”.

O empresário ressalta que é importante para o setor essa retomada. “A gente está completando quase 500 dias de um setor completamente paralisado. Nenhum dos produtores ou proprietários conseguiu exercer seu trabalho nesse período. Diferente de outras atividades, que conseguiram se reinventar, achar outras maneiras de rentabilizar na pandemia, no nosso não existe isso. A gente precisa do presencial”, analisa.

Magalhães afiram que “a gente está num período muito difícil”. “Vimos muitos produtores e empresários mudando de profissão”, lamenta. “Realmente, é um período nunca imaginado por nenhum de nós. Já passou um pouco do limite. Agora está chegando o momento do ‘vai ou racha’. Graças a Deus essa possibilidade de retorno está coincidindo com um momento de avanço, de melhoria. Mais do que nunca, faz sentido a gente pleitear esse retorno com toda a segurança e protocolos, que a gente já apresentou para o Governo do Estado há um bom tempo”, lembra.

A atividade do próximo domingo ainda terá caráter social: toda a renda será doada à ONG Voluntárias Pela Vida e também repassada a instituições que têm se dedicado a auxiliar no combate à pandemia no Rio Grande do Sul.

Conforme Magalhães, “será uma festa eclética, para agradar a todos”. “Quem for, vai se divertir muito e nos ajudar bastante com essa retomada”, avalia.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui