Teutônia apresenta dados de pesquisa para avaliar possível retomada das aulas

Dos 4 mil entrevistados, 25% disseram que as aulas não devem voltar. Outros 75% concordam com o retorno das atividades ou estão em dúvida em relação ao assunto.


0
Reunião aconteceu na manhã desta terça-feira (18) na Câmara de Indústria e Comércio de Teutônia (Foto: Gabriela Hautrive)

Em reunião realizada pelo Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus de Teutônia, com representantes da imprensa regional, nesta terça-feira (18), o município apresentou números sobre a situação da pandemia causada pelo novo coronavírus. Conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde, até a manhã desta terça, Teutônia tem 591 pessoas que já testaram positivo para a doença. São dez óbitos, sendo o último informado na segunda-feira (17). 

Uma das principais pautas do encontro foi a pesquisa realizada através de um questionário com as famílias da comunidade escolar do município, das redes municipal, estadual e privada, para avaliar a possível retomada das aulas em Teutônia. O documento, disponibilizado de forma online, foi respondido por 4.013 famílias entre os dias 13 a 16 de agosto.

A ação foi coordenada pela Secretaria de Educação. Conforme a titular da pasta, Rosana Schneider Rührwiem, apenas 25% dos entrevistados disseram que as aulas não devem voltar. Outros 75% concordam com o retorno das atividades ou estão em dúvida em relação ao assunto. “Nós vamos retomar aos poucos, conforme também foi combinado durante a reunião, começar a oferecer oportunidades gradativamente para retorno dos alunos.”

A secretária reforça que, assim como a posição da maioria dos prefeitos da Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amavt), Teutônia é contra a proposta do governo do estado em começar o retorno das aulas pelos alunos do ensino infantil a partir do dia 31 de agosto. “Sempre partindo do maior para o menor, deixando a educação infantil, que nesse momento achamamos muito perigoso retornar. Nossa grande preocupação é o retorno da criança pequena”.

Segundo Rosana, ainda não há nenhuma data definida para que seja feita a retomada gradual das atividades escolares de forma presencial. “Temos pequenos projetos que estão sendo pensados para avaliar a melhor forma de como retornar, através de questões como oficinas e demais demandas nesse sentido, começando pelos nonos anos”, explica a secretária.

Também serão disponibilizados kits de higiene pessoal aos alunos, além de todos os cuidados com distanciamento social. O diretor do Colégio Teutônia, Jonas Rückert, participou da reunião e apresentou o protocolo criado pelo educandário para retomada das aulas com segurança. O documento será avaliado pelo Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus do município.

Enquanto isso, Rosana Rührwiem entende que é preciso continuar prestando auxílio aos alunos de forma remota com repasse de atividades através de plataformas online e também retiradas de forma presencial nas escolas. Muitas autoridades e profissionais da educação falam em ano letivo perdido em 2020, mas a secretária reforça que é preciso ter cautela. “Estamos preocupados, mas queremos receber as crianças no momento certo, com segurança”.

Dados da pesquisa com a comunidade escolar

A enquete foi desenvolvida de forma colaborativa e enviada para as famílias de estudantes que possuem seus filhos matriculados nas três redes de ensino do município de Teutônia, público, privado e estadual. Dos 4.013 entrevistados, 91% responderam que utilizam o celular para acessar os conteúdos disponibilizados de forma online pelas escolas. O restante usa meios como computador (13%); notebook (31,2%) e tablet (2,7%). Ainda há 0,8% dos que não possuem nenhum dispositivo eletrônico.

Também foi questionado sobre dificuldades e falta de tempo para realizar as atividades, sendo que 56% relataram que passam por esses problemas. Outros 83% informaram que não possuem internet residencial fixa. Quanto ao questionamento sobre alunos que pertencem ao grupo de risco, 80,2% responderam que não e 19,8% que sim. Já a porcentagem de estudantes que não tiveram parentes positivos para coronavírus, representa 93,7% do total. Cerca de 96% dos familiares responderam ter conhecimento sobre as atividades que os alunos estão tendo de forma remota.

Os que acessam os materiais através de meios digitais como WhatsApp, e-mail, Facebook e outros, representam 71,6%. No formato impresso, retirado na escola, são 14,8%. Outros 13,6% utilizam ambas as opções, digital e impresso. O acesso à internet é feito via celular por 28,1% dos participantes e com internet fixa, Wifi, por 83,7%. Uma parcela de 1,8% responderam não ter acesso à internet.

Texto: Gabriela Hautrive
producao@independente.com.br

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui