Trecho entre Cruzeiro do Sul e Arroio do Meio na ERS-130 é caótico, afirma presidente da Amvat

"São obras que devem ser para ontem", defende Paulo Cezar Kohlrausch, sobre cronograma de trabalho discutido no plano de concessão de rodovias


0
Prefeito de Santa Clara e presidente da Amvat, Paulo Cezar Kohlrausch (Foto: Tiago Silva)

Para o prefeito de Santa Clara e presidente da Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat), Paulo Cezar Kohlrausch, a discussão para qualificar o projeto e contemplar as principais demandas da região no cronograma de obras do projeto de concessão de rodovias estaduais tem sido “madura”. Ele espera que o Governo do Estado reavalie e acate sugestões para adiantar os trabalhos em trechos críticos no bloco que tem rodovias do Vale do Taquari, como na ERS-130 entre Lajeado e Arroio do Meio.


ouça a entrevista

 


 

Kohlrausch diz que as rodovias ERS-129, ERS-130 e RSC-453 não estão nas melhores condições, mesmo tendo pedágios atualmente. O gestor afirma que a infraestrutura viária impacta diretamente no desenvolvimento econômico de uma região, pois interfere no custo de produção e na competitividade.

O presidente da Amvat classifica como produtivas as reuniões com técnicos do Governo do Estado para rever o projeto. “Nada fechado”, diz ele. “Não é algo engessado, que não possa ser modificado”, ressalta Kohlrausch. “Eu penso que está indo de bom tom. Muita discussão vai acontecer ainda. Questões pontuais vão ser discutidas”, nota.

“Nós estamos discutindo com maturidade. Somos uma região que produz muito, trabalhamos bastante, e chega um momento que temos que discutir de forma racionalizada, mas fazer valer nossos direitos de uma forma assertiva, pontuar bem pois estamos falando de uma concessão de 30 anos”, alerta.

A partir dessas conversas, o presidente da Amvat acredita que algumas obras de duplicação podem ser adiantas. “Existe uma necessidade”, aponta o gestor, que nota uma preocupação do Governo do Estado de compreender as demandas.

“Esse trajeto da entrada de Cruzeiro do Sul até o trevo de Arroio do Meio é caótico”, entende. “São obras que devem ser para ontem”, defende. “A questão da duplicação de Lajeado a Arroio do Meio, e aquele trajeto até a entrada de Cruzeiro com obras de arte para viabilizar um trânsito com mais segurança, que possa fluir melhor”, exemplifica.

Outro aspecto que preocupa a região é a localização das praças de pedágio, e sua real necessidade no futuro próximo. Kohlrausch sugere que seja instalada entre a divisa de Arroio do Meio e Encantado, para não dividir localidades do primeiro. “Se esse posto fica na divisa, facilita”, pondera.

Para o prefeito, a possibilidade de que a concessão seja realizada por meio do modelo freeflow, com passagem livre e cobrança por trecho rodado, sem praças de cobranças manuais, não deve sair agora. “A ideia dessa possibilidade é a partir daqui a cinco anos. Se fosse viável hoje nós nem estaríamos discutindo a questão das praças de pedágio. Claro que é algo que já existe e que vai acabar acontecendo, mas estamos falando muito de coisas que são previsões para daqui a cinco, dez anos”, analisa.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui