Usuários do transporte coletivo de Lajeado avaliam novos abrigos nas paradas de ônibus

Um total de 136 pontos serão instalados na cidade. Os dois primeiros estão em fase se construções, na Rua João Abott e na Avenida Benjamin Constant.


0
Usuários terão que atravessar a via para usar o novo abrigo na Rua João Abott (Foto: Gabriela Hautrive)

A semana começou com novidades no transporte público de Lajeado. Além da nova empresa na operação dos ônibus, a Expresso Azul, também há novos abrigos nas paradas de ônibus em dois pontos da cidade. Os locais ainda estão em fase de construção e finalização.

Ao todo serão 136 abrigos instalados em Lajeado. As duas primeiras paradas serão maiores que as restantes e começaram a ser instaladas na última quinta-feira (18). Uma é na Rua João Abott, imediações do Parque Professor Theobaldo Dick. A outra parada de maior porte, e que será revestida com vidro, ficará localizada na Avenida Benjamin Constant, proximidades da agência do Banco Banrisul. Esta parada será fechada e terá 34,8 metros quadrados de cobertura.

A reportagem da Rádio Independente conversou com usuários do transporte público de Lajeado na manhã desta segunda-feira (22). Eles fizeram uma avaliação sobre essas novidades e a principal mudança citada foi em relação aos dias chuvosos. Loreci dos Santos (42), moradora do Bairro Olarias, depende de ônibus para deslocamento e está feliz com a construção dos novos abrigos. “Vai ser muito bom, vamos ter mais proteção, pois agora não temos. Vai melhorar bastante”, relata Loreci que usa o transporte com frequência para ir ao trabalho.

Liane Rambo (53), moradora de Santa Clara do Sul, utiliza o transporte público de Lajeado uma vez por semana (Foto: Gabriela Hautrive)

Uma das principais reivindicações da população é em relação às condições que os abrigos oferecem em dias de chuva. “Tem goteira, molha bastante”, completa a moradora. Quem também gostou dos novos abrigos foi Liane Rambo (53). Apesar de ser moradora de Santa Clara do Sul, município vizinho, ela usa o transporte público de Lajeado uma vez por semana. “Vai ter mais segurança, não vamos nos molhar em dias de chuva e também vai ajudar quando estiver muito calor”, avalia.

Além dos pontos maiores, na Rua João Abott e na Avenida Benjamin Constant, outros 134 abrigos serão instalados onde atualmente há parada de ônibus sem coberturas. Conforme o coordenador do setor de Projetos Especiais e Captação de Recursos da prefeitura, Isidoro Fornari Neto, as construções em estado precário serão substituídas. O custo médio de cada um dos abrigos será de R$ 8,2 mil. As estruturas serão de tubular metálica, medindo 1,60 metro por 4 metros de largura e 2,40 metros de altura.

Moradora do Bairro São Bento, Rosângela Portela Rocha (40) (Foto: Gabriela Hautrive)

A moradora do Bairro São Bento, Rosângela Portela Rocha (40), entende que serão estruturas mais completas do que as disponíveis atualmente. “Tanto nos dias de chuva, como nos dias de muito sol, vai melhorar muito, pois ficamos parados esperando até o ônibus chegar. O espaço que tem hoje é pequeno, então a maioria das pessoas ficam fora do abrigo”, entende.

Rosângela ainda relatou já ter passado momentos difíceis enquanto aguardava o transporte, tendo seus pertences molhados pela chuva. “Já aconteceu umas duas vezes essa situação”, completa. O tema também é o principal assunto para moradora Cleude Maria Gräbin (62), do Bairro Planalto. “Essas novas paradas vão ajudar muito nos dias de chuva, fica tudo molhado aqui quando chove”, ressalta.

Abrigos novos próximos aos antigos

O lajeadense Orlando Kristman (79), morador do Bairro Olarias, não gostou da mudança de local dos novos abrigos, segundo ele, mesmo sendo perto, dificulta o deslocamento para algumas pessoas. O novo ponto construído na Rua João Abott, próximo ao Parque Professor Theobaldo Dick, está sendo instalado em frente ao que existe atualmente. Já o da Avenida Benjamin Constant, próximo ao Banrisul, está sendo montado ao lado da parada atual. Diferente de Kristman, a lajeadense Loreci dos Santos entende que se for para melhorar, não importa o local em que será feita a construção.

Texto: Gabriela Hautrive
producao@independente.com.br

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui