“Vai ser difícil pra nós, seremos os últimos a retornar”, diz dono da Boate Flerte

O impacto da pandemia traz consequências desalentadoras para empreendedores de todo o mundo. E não é diferente para o proprietário desta casa de entretenimento adulto.


6
A Boate Flerte Night Club está localizada na RSC-453, em Estrela (Foto: Divulgação)

O impacto da pandemia traz consequências desalentadoras para empreendedores  de todo o mundo. E não é diferente para o proprietário da Boate Flerte Night Club de Estrela, Marcio Nunes. “Vai ser difícil pra nós, seremos os últimos a retornar”, lamenta em entrevista à Rádio Independente no programa Especial Coronavírus. A casa de entretenimento adulto está fechada desde o dia 20 de março. “Tínhamos uma programação de shows, mas tivemos que cancelar”, comenta.


ouça a entrevista

 


 

Na época não havia determinação para fechar, mas “como muitas meninas vem de fora, nos reunimos e tomamos a decisão de suspender as atividades, antes que elas ficassem sem ônibus”, diz Nunes, explicando que suas “atendentes” são em maioria de cidades distantes de Estrela.

Segundo Nunes, ele sofre pressão das “meninas” e clientes para voltar às atividades o quanto antes. No entanto, garante que não há perspectiva de retorno em um futuro próximo. “Optamos neste momento mais por uma questão de saúde. Tenho funcionários que fazem parte do grupo de risco”, justifica e continua: “vamos deixar abrandar as normas para a partir daí voltar a trabalhar. Se tivermos que trabalhar com a comprovação de testes, faremos, mas por enquanto não tem jeito. Não vou arriscar.”

Adaptação

Segundo o proprietário da Flerte, a boate não utilizará métodos para continuar trabalhando durante a pandemia, porque a casa é feita para o boêmio. “À noite temos shows; casais também frequentam a casa; trabalhamos pro boêmio, aquela pessoa que gosta de curtir a noite [..] quer sair de casa, ver shows, striptease. Não é aquele cliente que só quer ir num bar tomar uma cerveja. É pra quem quer algo diferente.”

No entanto, ele admite que as “meninas” devem estar atendendo de forma autônoma na casa de clientes utilizando a internet para chegar ao “consumidor”. “Muitas dependem exclusivamente disso.”

Funcionamento da casa

Antes da pandemia a Boate Flerte trabalhava com sete funcionários. Cerca de 15 “meninas” atendiam por dia. O estabelecimento funcionava de segunda-feira a sábado, sempre a partir das 14h.

Texto: Rodrigo Gallas
web@independente.com.br

6 Comentários

  1. Prostituta pode trabalhar de casa. Um site jornalístico fazer uma reportagem sobre um prostibulo…um local que reúne drogas e tráfico e não traz benefício nenhum ao município, não arrecada imposto, não possui nem registro correto (eles registram como hotel ou bar), por mim que fique fechado para sempre.

  2. “Vai ser difícil pra nós”…..é muita cara de pau lamentar um local que reúne drogas e tráfico. Tem que fechar mesmo, uma ZONA não tras nada construtivo ao município, nem imposto recolhe.

  3. Sinceramente, com tantas empresas para ser fazer uma reportagem neste tempo de pandemia, a pessoa dá ênfase a uma boate…sem noção!!

  4. Que bom ver nos comentários que ainda existe muita gente descente… Que siga fechado e nem volte as atividades esse lugar repugnante…

  5. Que tragedia, lamento muito ler uma noticia tão triste. Precisamos continuar apoiado as “meninas” neste momento tão difícil para elas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui