Agentes políticos não terão reajuste salarial em Arroio do Meio

Câmara aprova recurso para combate ao Covid-19.


0
Foto: Marcio Steiner

A Câmara de Vereadores de Arroio do meio reuniu-se nesta quarta-feira (1), em sua sede, mas sem a presença de público. Os poucos presentes no plenário, inclusive os vereadores, precisaram higienizar as mãos com álcool gel e usar máscaras, afim de evitar a disseminação do novo coronavírus.

Na oportunidade, o legislativo aprovou projetos que fixam os valores dos salários de prefeito, vice e vereadores para o ano que vem Os vencimentos não tiveram reajuste, ou seja, a partir de 1º de janeiro de 2021, o prefeito de Arroio do Meio continuará recebendo R$ 22,142 mil e o vice, R$ 7,167 mil. Já os vereadores seguem ganhando mensalmente R$ 4, 885 mil.

O presidente da Câmara recebe R$ 7,167 mil. O parlamento ainda aprovou convênio com o Hospital Estrela, a fim de custear despesas de ações decorrentes de manutenção das estruturas hospitalares e custeio de equipe assistencial visando atendimentos emergenciais aos pacientes de Covid-19 em Arroio do Meio, no valor mensal limite de R$ 77.786 mil. A Câmara de Vereadores de Arroio do meio volta a se reunir no dia 15 de abril, às 18h30. LF

Grande Expediente

César Kortz (MDB) – Falou a respeito do programa Passo à Frente que garantiu a execução de asfaltos nas últimas semanas. Destacou cerca de 300 metros na Rua Rui Barbosa e a interligação da Rua José Arnhold com a ERS-130, trecho que necessitava de constante manutenção. Também destacou o asfalto do Passo do Corvo que iniciou e deve seguir quando passar a pandemia. Ainda falou sobre a pandemia e elogiou a conduta da Administração em relação ao isso para se ter os menores danos possíveis. Assim como, o trabalho de todos os profissionais da saúde, os quais são muito exigidos e a boa estrutura do Hospital. Kortz ainda lembrou que “não podemos esquecer a importância dos demais serviços que não podem parar, considerados essenciais”. Ainda enalteceu a classe dos agricultores, a qual não para nunca. Mesmo com toda pandemia seguem trabalhando de sol a sol e ainda estão enfrentando mais uma seca. Entende que a situação está ficando crítica, tanto que o Município decretou estado de calamidade pública. Diante disso ainda ressaltou que é preciso pensar nos produtores que tiram do próprio bolso para plantar suas lavouras e que não têm financiamentos. Pede que estes também sejam inclusos no caso de algum decreto visando auxílio no custeio de dividas.

Rodrigo Kreutz (MDB) – Iniciou elogiando a Secretaria da Saúde pelo trabalho que vem desenvolvendo ao longo de todo ano e que é composta por pessoas que realmente vestem a camisa. Relembrou que passou uma situação de mais de dois anos muito difíceis e sempre foi muito bem atendido. Agradeceu também aos hospitais São José e Bruno Born, locais onde o sogro, que faleceu recentemente, sempre foi muito bem atendido. Reforçou que em Arroio do Meio o atendimento em saúde é diferenciado, salientando que quando não se consegue algum procedimento pelo SUS são procuradas outras maneiras e parcerias com outros hospitais para ajudar o paciente. Observou ainda o momento difícil que se está vivendo. “Antes se dizia que as pessoas precisavam de um abraço amigo, o que hoje não é possível. Muitas vezes é preciso se fazer valer das mídias sociais”, disse Kreutz, que também fez um alerta quanto as notícias falsas que são veiculadas na internet. Além disso, lamentou as brigas e questões políticas que não agregam neste momento. Frisou que os administradores estão tentando fazer o melhor. Ele acredita que a dificuldade vai aparecer logo a frente, mas o momento está sendo de preservar vidas, sendo necessária a união de todos. O vereador ainda falou sobre a seca, que, além da pandemia, está deixando as pessoas preocupadas. Disse que a colheita da soja está dando 30% ou 40% do normal, resultado que mal chegará para cobrir os custos de produção. Lembrou que outros cultivos também estão com sua renda comprometida com a falta de água. “É preciso estar em cima dos governos para que os produtores rurais não fiquem esquecidos”. Por último, o vereador fez um apelo para que as pessoas façam o uso consciente da água.

Roque Haas, o Rocha (PP) – Iniciou falando das dificuldades do momento. Destacou a questão da saúde, mas que o mais importante, que mais atinge o município, é a estiagem. Disse que muitos já tiveram dificuldades de colher na safra e fizeram um investimento maior na safrinha para tentar recuperar, contudo, o resultado foi ainda pior. Verifica ser lamentável que os órgãos competentes não vão ao encontro dos agricultores. Que muitos já têm custeios vencendo e que os governos não são capazes de trazer um adiamento. “Esses heróis estão fazendo milagres e não são reconhecidos”. Falou da incerteza que se tinha quanto ao transporte da água até as propriedades rurais, mas que se sentiu aliviado pelo anúncio do prefeito garantindo o serviço. Reforçou dizendo que está na hora de reconhecer a classe dos agricultores que contribuem muito para os cofres públicos. Sugere que seja repassado algum valor para tentar ajudar essas pessoas, as quais enfrentam os mesmos problemas de doenças que têm na cidade. Rocha relatou ainda que na semana passada cumpriu com os dez dias de quarentena, deixando seus funcionários em casa, contudo, no seu papel de legislador, foi auxiliar um agricultor que lhe ligou diversas vezes. Observou que no momento que estava ajudando, alguém tirou uma foto e posteriormente comentou que o vereador estava dando “um belo exemplo”, por não estar em casa. Avalia que quem fez a referida foto é quem realmente não tinha o que fazer e não deveria estar na rua. Haas ainda sugeriu que neste momento, com a seca, as máquinas e caminhões da prefeitura sejam colocados a disposição dos agricultores, assim como é feito quando da ocorrência de enchentes. Outra sugestão do legislador é a compra de um tanque inox para acomodar em um caminhão e servir para o transporte de água. O mesmo também poderia ser utilizado para outras funções. Avalia que se o município tivesse o referido equipamento não seria necessário, neste momento, pagar pelo serviço.

Vanderlei Majolo (PP) – Também abordou os dois principais problemas enfrentados neste momento que são a seca e a Covid-19. Disse que a exemplo do governo federal que possui uma série de medidas para socorrer a economia, o governo do estado publicou um programa onde os deputados estaduais também poderão repassar recursos para os seus municípios. Sugere que a câmara também devesse ter autonomia, mesmo que a Administração tenha vários programas e ter feito um excelente trabalho de prevenção quanto a pandemia. Observa que quem gerou a riqueza para o município foram os trabalhadores num geral, e que agora a Administração fique atenta e não tenha medo de desembolsar talvez R$ 1 milhão. “Vários que estão na informalidade logo estarão preocupadas de não ter como se alimentar. Empresas que estão no aluguel vão precisar fechar pois não vão conseguir retomar as atividades. Daqui há pouco um pequeno socorro pode salvar uma atividade”, assinala. Acrescentou que a partir de agora os locais mais críticos da seca tenham uma atenção especial, que se programe algo para que numa futura estiagem não se sofra tanto. Lamentou que nas redes sociais parece que os vereadores não fazem nada, “mas aqui temos a cadeira, estamos representando o povo. É preciso que a Administração nos dê mais valor, enaltecendo que estamos do seu lado e dando aval no que for necessário”. Destacou que se foi pego financiamento para fazer asfalto, que agora se pegue para contornar essa situação de estiagem. Pontua que hoje o orçamento de R$ 80 milhões do município foi construído por todos os seguimentos. Disse haver uma apreensão na agricultura, e reforçou a ideia de um reconhecimento, talvez com algum abono, o que pode fazer a diferença. Comentou ainda que a situação da pandemia ainda é um pouco duvidosa, mas que as estatísticas alertam e que o preparo todo está certo. Finalizou dizendo que os vereadores estão engajados com todos para juntos com a Administração elaborar um programa que possa socorrer a todos.

Luis Both (MDB) – Também falou sobre pandemia que está se espalhando pelo mundo. Disse que tem empresa e sabe a dificuldade que muitas estão começando a passar ou que ainda vão passar. Pede que haja consciência a vários setores da região. Torce para que locadores entrem em um acordo com locatários para talvez reduzir o preço do aluguel ou estudem uma situação que fique boa para os dois lados. “Virão dias bem difíceis pela frente”. O vereador acredita que ocorrerão casos de coronavírus no município e com a expansão do mesmo as dificuldades deverão aumentar. Verifica que muitas empresas têm para se sustentar por determinado período, mas vê dificuldades para outras nas quais o patrão não vai ter dinheiro para pagar os funcionários. Sugere que se tente ajustar uma forma legal para trabalhador e empresário. Reforça a necessidade de as pessoas tomarem os cuidados necessários como por exemplo a distância entre uma e outra. “Em vários locais as determinações não estão sendo respeitadas”. Em aparte, Adiles Meyer (MDB) disse que esse é o tempo de preparo que temos, assistindo os outros países que não obedeceram às determinações. Alertou que a questão pode piorar ainda mais a partir da chegada da chuva e do frio. Both finalizou pedindo que as pessoas se conscientizem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui