“É uma complexidade muito grande dizer quando exatamente a energia vai voltar”, afirma gerente de serviços da RGE

“Estamos com mais de 360 pessoas engajadas para que a gente restabeleça a energia no menor tempo possível”, afirma Fábio Calvo


1
Fábio Calvo

Milhares de clientes no Vale do Taquari estão indignados com a falta de resposta da RGE no restabelecimento da energia elétrica, nas cidades e em localidades do interior, em função dos danos na rede ocasionados pelo temporal da noite de terça-feira (19). Há moradores e empresas sem luz desde a noite de terça-feira (16). “Nós estamos totalmente solidarizados com todos os clientes”, afirmou o gerente de serviços comerciais da RGE, Fábio Calvo, em entrevista ao Troca de Ideias desta sexta-feira (19).

“Estamos trabalhando com mais de 360 pessoas desde o início do temporal, em tempo integral, a todo momento, engajados para que a gente restabeleça a energia no menor tempo possível. Agora, é uma complexidade muito grande dizer para esse ou aquele cliente quando exatamente a energia dele vai voltar porque há muita complexidade nos reparos. Nós precisamos seguir um caminho elétrico antes de chegarmos no ponto de energia do cliente. Existe uma série de defeitos anteriores. De nada adianta emendar aquele cabo ou bater aquela chave se a gente não consertar os defeitos antes”, argumenta.

No pico da falta de luz, eram 123 mil clientes da RGE afetados no Vale do Taquari. “Agora, nós estamos com em torno de 13 mil clientes desabastecidos. Nós já restabelecemos 89% dos nossos clientes, e permanecemos amplamente mobilizados e engajados para, no menor tempo possível, restabelecer a energia elétrica, não só no Vale do Taquari, mas em toda a nossa área de concessão”, reforça.

“Esse evento climático afetou a sociedade como um todo, e com a RGE não é diferente. A nossa rede elétrica foi gravemente impactada em diversos pontos. Nós não estamos tendo que apenas reparar, mas, sim, reconstruir em diversos pontos”, explica. “De toda a minha experiência no setor elétrico, foi o evento climático mais abrangente e mais grave que eu vi nesses últimos 24 anos”, diz ele, ao citar rajadas de vento de 110 a 130 km/h, com grande incidência de raios.

Conforme ele, o Vale do Taquari é uma região extremamente arborizada. Por isso, defende a importância de um convívio harmônico da vegetação com a rede elétrica. A concessionária diz ter investido R$ 40 milhões nos últimos anos para robustecer e tornar a rede elétrica mais resiliente. Em três anos, foram trocados 10 mil postes de madeira por estruturas de concreto. “Mas se não mudar a cultura do plantio de árvore de grande porte perto da rede elétrica, a cada novo evento climático, nós vamos passar por esse impacto”, teme.

Auxílio e indenização às pessoas

A RGE diz que segue na íntegra os protocolos de atuação que são preconizados pelos órgãos reguladores. Clientes e empresas que se sintam lesados podem entrar em contato com a concessionária, que se compromete a cumprir as determinações das agências regulatórias nestes procedimentos.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

1 comentário

  1. Garanto que na empresa, na casa desse cidadão tem! Não tá nem aí. Certel consegue dar prazo. RGE não?!
    É uma falta de respeito, e como fica agora, tem que pagar a conta de luz, e o prejuízo quem paga? Vergonha !!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui