Passeios na Colônia realiza a quarta caminhada de 100 km até o Cristo Protetor neste feriadão de Carnaval

Trajeto vai destacar os cristos de Ciríaco, Serafina Corrêa, Vila Maria e Guaporé, além de Encantado


0
Grupo que fez a caminhada de Carnaval em 2023 (Foto: Divulgação)

O projeto de caminhadas Passeios na Colônia, liderado pelo jornalista e empreendedor Alício de Assunção, realiza neste feriadão de Carnaval a quarta caminhada de 100 km até o Cristo Protetor de Encantado. A concentração ocorre em Lajeado, de onde um grupo de 35 pessoas sairá às 2h30 de sábado (10) em direção ao município de Ciríaco, no norte do RS. De lá, os caminhantes começam o trajeto.

“Ciríaco, Vila Maria, Serafina Corrêa, Guaropé e chegamos no Cristo Protetor na terça-feira (13), por volta das 15h. Claro, com paradas para refeições. Inclusive, em alguns lugares, vão acontecer festas comunitárias e nós vamos participar”, Alício adianta.

“Dessa vez, nós vamos destacar os Cristos. São diversas cidades com monumentos, mais antigos que o Cristo Protetor de Encantado”, lembra o entusiasta do turismo, ao citar as estátuas de Ciríaco, Serafina Corrêa, Vila Maria e Guaporé, todos estes inspirados no Cristo Redentor do Rio de Janeiro.

O grupo deve percorrer cerca de 25 km por dia. Conforme Alício, o planejamento contempla 18 km pela manhã e mais 7 km à tarde, com um intervalo entre 10h e 15h para escapar do sol forte. A cada dia está prevista passagem por uma cachoeira ou um rio no final da tarde para o pessoal se banhar um pouco, Alício pontua. “Vai ser a maior caminhada de 100 km que realizamos até agora, com 35 pessoas caminhando”, valoriza.

Os participantes vêm de vários lugares, desde cidades do Vale do Taquari como Lajeado, Arroio do Meio e Progresso, passando por Porto Alegre, Canoas, Santa Maria e Santa Cruz, e até gente de fora do estado, como Curitiba no Paraná.

O Passeios na Colônia conta com guias e micro-ônibus de apoio durante todo o trajeto. “A exemplo de outras caminhadas, a gente tem essa integração com as comunidades para ser uma caminhada bem legal e não cansativa. A gente prioriza caminhar com prazer, sem sofrer”, destaca.

“São vivências. Por isso, em cada lugar que a gente chega, o pessoal dá boas-vindas, faz aquela recepção legal. A gente tem muito contato com as comunidades. A gente procura conhecer o modo de vida das pessoas, e eles também querem conhecer a gente. O nosso público varia de 40 a 88 anos”, detalha.

O projeto começou em novembro de 2011. Desde então, foram 241 caminhadas realizadas, percorrendo 3,2 mil kms, ao longo de 86 municípios. Foram 230 pequenas comunidades — linhas, picadas, vilas e distritos do interior — visitados. Em torno de 24 mil caminhantes já participaram das atividades, Alício ressalta.

“As primeiras caminhadas eram de 6 km, e a gente achava o máximo, quase morria”, recorda o idealizador do Passeios na Colônia. “Depois, o pessoal foi exigindo mais para chegar a 10, 12, 15 kms nas caminhadas de domingo. E aí surgiu a ideia de caminhadas em três ou quatro dias nos feriados, que chegassem a 100 kms. Teve uma caminhada que chegou a 120 kms. Essa saiu de Pouso Novo e acabou em Imigrante”, lembra ele, sobre a evolução do projeto.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui