Lajeado não trabalha com a possibilidade de ficar sem rotativo pago no Centro, afirma Marcelo Caumo

Contrato com a Stacione vence em 7 de março; prefeitura analisa possibilidade de estender o vínculo, fazer um contrato temporário ou lançar licitação para buscar outra empresa


1
Foto: Carolina Leipnitz / Arquivo

A Prefeitura de Lajeado não trabalha com a possibilidade de não contar com estacionamento rotativo pago na área central da cidade. O contrato com a Stacione Rotativo vencerá em 7 de março, e há uma incógnita no ar sobre como será prestado o serviço a partir dessa data. O prefeito Marcelo Caumo diz que uma série de possibilidades são analisadas. Em entrevista ao Troca de Ideias desta sexta-feira (9), ele detalhou o que está sobre a mesa.

“Ninguém discute a necessidade do estacionamento rotativo para as ruas, para a vitalidade do Centro; discute a forma e a necessidade de aperfeiçoamento. A gente está se dedicando a isso. Iniciamos as análises e, assim que tiver um retorno objetivo, a gente traz”, garante.

“Nós não trabalhamos com essa alternativa” de ficar sem rotativo pago, confirma o gestor. “Nós trabalhamos com a alternativa de manutenção do serviço, seja com a empresa que hoje está executando, seja com outra empresa. A definição de quem vai prestar o serviço não se tem, mas o objetivo do município é que não aconteça uma lacuna de não ter o serviço por determinado período”, ressalta.

Caumo explica que o município tem as alternativas de prorrogar esse contrato pelo tempo máximo de 10 anos; tem a alternativa de estender por um prazo menor ou então “colocar a licitação na rua e ver as melhores alternativas e propostas”. “São essas as variáveis que a gente trabalha”, apresenta o prefeito.

LEIA TAMBÉM

“E também tem a alternativa, caso a licitação não esteja pronta até 7 de março, que se tenha um contrato temporário para fazer frente a essa necessidade, para não se ter a suspensão de um serviço que é necessário para o centro da cidade e alguns bairros de maior movimento”, entende.

Foto: Luís Fernando Wagner

Conforme o prefeito, a administração municipal vai analisar um documento com sugestões encaminhado pela Câmara de Vereadores. O material lista como forma de melhorar o serviço facilitar a forma de pagamento, diminuir o número de cobradores e ampliar as modalidades eletrônicas de pagamento para reduzir os encargos e as tarifas, e estabelecer um contrato com tempo menor para ter mais flexibilidade e fazer frente aos avanços tecnológicos.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

1 comentário

  1. Quem trabalha com entregas, tem que pagar estacionamento, sendo que as vagas de carga e descarga estão ocupadas com veículos que estão usando as vagas para outros fins. A alguns dias atrás percebi meu saldo sumindo, até que descobri que estavam me cobrando no ato e pegando o dinheiro para si, e descontando do meu saldo também. Devem ser escolhidos melhor os monitores de cobrança, e cabe a stacione fiscalizar melhor. Outra coisa é a moto que passa cobrando, é injusto. Eu paro pra fazer uma entrega e quando volto já foi cobrado, pela moto que circula. Deve acontecer várias mudanças e de preferência que seja outra empresa. Chamem a comunidade para ajudar a decidir, a Stacione já deu dor de cabeça de mais e não tem credibilidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui