Projeto Passeios da Colônia inicia o terceiro dia da caminhada de 100 quilômetros entre as estátuas de Cristo no interior do Rio Grande do Sul

Percurso começou no sábado em Ciríaco e deve ser concluído nesta terça-feira, em Encantado. São 25 quilômetros por dia


0

Na manhã desta segunda-feira (12), o grupo de caminhantes do Projeto Passeios da Colônia, do jornalista e empreendedor Alício de Assunção, iniciou o terceiro dia da caminhada de 100 quilômetros entre as estátuas de Cristo no interior do Rio Grande do Sul. Ao todo, cerca de 30 pessoas de diversas cidades do Estado participam desta atividade, que terá a duração de quatro dias.

O trajeto iniciou no sábado (10) e os participantes já passaram por Ciríaco e Vila Maria. Nesta segunda-feira (12) devem andar por Serafina Corrêa e Guaropé. Para amanhã (13), na parte da tarde, está prevista a conclusão do trajeto no Cristo Protetor em Encantado.

“Já percorremos os Cristos de Ciríaco e de Vila Maria. Hoje estamos em Serafina Corrêa, e amanhã concluímos essa jornada de 100 quilômetros na cidade de Encantado, no Cristo Protetor. Além disso, ainda hoje passaremos pelo Cristo de Guaporé”, explica Assunção.

Mercedes Hurich é uma das integrantes da caminhada. Ela destaca as impressões que teve nos dois primeiros dias. “É uma caminhada maravilhosa que começou no Cristo de Ciríaco. É uma grata surpresa encontrarmos essas esculturas ao longo do caminho. É um caminho muito interessante, com muita natureza e integração social com as comunidades. Ontem mesmo, a gente almoçou em uma comunidade de uma Igreja no interior em Vila Maria, onde descobrimos um Cristo da década de 1940”, relata.

Mercedes também destaca os benefícios desta atividade. “A nossa caminhada, além de exercitar o corpo, a sociabilidade, a integração com a natureza, tem um viés ecológico pois o grupo se propõe a plantar mudas ao longo do caminho. Já deixamos uma no Cristo de Ciríaco e nesta semana vão chegar mais 99 mudas de árvores para completar as 100 plantas. Assim, a gente vai conhecendo o interior do nosso Rio Grande do Sul e os cantinhos que a gente nem sabia que existia. É maravilhoso”, complementa.

Para resistir às altas temperaturas que ocorreram no final de semana, Mercedes comenta que as paradas estratégicas foram fundamentais para que o grupo suportasse o calor. “O clima está um pouco quente, mas a gente faz de uma forma que se torna suave. Temos pequenas paradas e teve três cascatas onde pudemos nos banhar. Com estas paradas estratégicas, fazendo as paradas no início da manhã e de tarde, fica suave e quando a gente vê já fez essa quilometragem”, conclui.

Texto: Elisangela Favaretto
vitrinedenegocios@independente.com.br


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui